16 agosto 2016

Viseu: Bombeiros Municipais mudam para o aeródromo

Um novo quartel para os Bombeiros Municipais de Viseu vai ser construído junto ao aeródromo. O velho quartel fica com um piquete de emergência para atuar na cidade.

A Câmara Municipal de Viseu decidiu por unanimidade apresentar uma candidatura aos fundos comunitários para a construção de um novo quartel para os Bombeiros Municipais, que ficará situado junto ao aeródromo Gonçalves Lobato. De acordo com o presidente da Câmara, Almeida Henriques, o novo quartel “vai permitir que o corpo principal de bombeiros possa ali fazer uma otimização da sua atuação com a Proteção Civil na altura da prevenção de incêndios e durante o ano, já que a aterragem de um avião implica ter o serviço de proteção de incêndios”.

A referida candidatura é apresentada até ao fim de julho ao programa Portugal 2020, podendo ser aprovada até ao término do corrente ano. A futura obra está orçada em 780 mil euros, reúne o consenso do executivo municipal e já tem o aval da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

O atual quartel será mantido e servirá, entre outras utilizações, para manter na cidade um piquete de intervenção rápida dos Bombeiros Municipais, com um efetivo mínimo de emergência para fazer face a qualquer ocorrência na cidade. A autarquia pretende também reforçar o número de bombeiros, depois da recente entrada de nove novos elementos para a corporação.

CDOS Pode ser transferido

O Comando Distrital de Operações e Socorro de Viseu (CDOS) pode também ser transferido para a zona do aeródromo municipal, como já esteve previsto há alguns anos. A ideia não é nova mas voltou a ser falada na última reunião do executivo liderado por Almeida Henriques.

Depois de ter saído das instalações junto aos antigos Bombeiros Voluntários, o CDOS (que coordena todas as ações de socorro dos bombeiros no distrito de Viseu) está a operar atualmente no edifício do antigo Governo Civil. A ideia, não só da Câmara de Viseu, como também da Proteção Civil, é transferir o CDOS para instalações definitivas numa das estruturas existentes no aeródromo.

Recorde-se já esteve para ser criado na cidade, pelo governo do antigo primeiro-ministro José Sócrates, um Centro Nacional de Operações e Socorro (CNOS) alternativo ao que atualmente existe em Lisboa. Na altura, o Ministério da Administração Interna propunha-se equipar uma vivenda do Viso Norte com um CNOS, o que não passou de ideia nem teve evolução em anos seguintes.

Com a polémica gerada em torno desta questão, ainda no tempo do autarca Fernando Ruas, o também antigo governo do ex-primeiro ministro Durão Barroso chegaria mesmo a assinar com a autarquia de Viseu um contrato-programa para a instalação do CDOS no aeródromo municipal, o que também nunca viria a acontecer.

Fonte: Jornal do Centro