15 agosto 2016

Sem ninguém lhes pedir, vieram de Nice combater fogos portugueses


Três bombeiros de Nice equiparam-se com mangueiras e uma minibomba, apanharam um avião até Madrid, alugaram um carro em Espanha e pararam em S. Pedro do Sul, onde ajudaram a salvar das chamas um aviário, antes de seguirem para Águeda. São voluntários que, nas férias e nos tempos livres, vão onde a ajuda é precisa. “Portugal está em estado de emergência”, justificaram.

A família Rodrigues, proprietária de um aviário perto da localidade de Fujaco, S. Pedro do Sul, considerou a ajuda de três bombeiros franceses o “milagre” que surgiu do nada e “valeu por tudo”.

Chegaram na noite de sábado, quando o incêndio ameaçava povoações e tinha quatro frentes activas. Apresentaram-se ao serviço munidos de uma minibomba, mangueiras e fatos de combate onde se podia ler pompiers (bombeiros em francês). Aos colegas portugueses perguntaram onde ir para combater as chamas, enquanto lhes mostravam uma fotografia de uma casa a arder que tinha sido publicada pelos meios de comunicação social portugueses.

Pedro Rodrigues, filho do proprietário do aviário, apercebeu-se da disponibilidade dos franceses e de imediato lhes disse que precisava de ajuda. Os quatro arrancaram na carrinha de matrícula espanhola que os franceses tinham alugado.

Os três franceses fazem parte de uma associação constituída por 20 bombeiros profissionais que nas férias e tempos livres vão onde é preciso ajudar. “Somos de Nice, tivemos conhecimento que Portugal estava em estado de emergência. Apanhámos o avião até Madrid e depois alugámos um carro até aqui, onde nos apresentámos no posto de comando”, contou Pierre Elo. A noite foi passada nas imediações do aviário. “Estivemos aqui os cinco, eu, mais o meu pai e os três franceses”, contava Pedro Rodrigues, já na tarde de domingo. Continuava em alerta, mas amigos de Nice, esses tinham arrancado para Águeda, outro dos concelhos afectados pelas chamas. Daqui terão seguido para Ponte de Lima.

“Com o material que eles trouxeram e o nosso reservatório de água conseguimos abrandar o fogo nesta zona. Eramos só os cinco e com menos equipamento fizemos muito”, desabafava Pedro Rodrigues.

O incêndio em S. Pedro do Sul era, ontem, o que mais preocupava a Autoridade Nacional de Protecção Civil e aquele que mais meios mobilizava. Em declarações no local, ao fim da tarde de domingo, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, revelou que na altura o incêndio estava dominado a 70%. Numa visita ao posto de comando de combate a este incêndio, localizado no quartel dos Bombeiros Voluntários de São Pedro do Sul, a ministra disse ainda que os dois aviões russos de combate aos incêndios que se tinham avariado durante a tarde de domingo já estavam operacionais.

As aeronaves chegaram sábado a Portugal, tendo ficado inoperacionais no dia seguinte - uma por problemas técnicos, a outra por ter sofrido problemas na fuselagem depois de ter feito uma descarga na Serra de S. Macário. “Para sair do vale, a equipa teve alguns problemas mas, por milagre, escapou ilesa”, contou o presidente da Liga de Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares.

Constança Urbano de Sousa preconizou, ainda, que o Estado desencadeie acções judiciais cíveis contra os incendiários, por forma a ser indemnizado. “Essa é uma medida que existe no nosso ordenamento jurídico. Todas as pessoas que cometem ilícitos podem ser responsabilizadas pelos danos que provocam e não é a primeira vez que isso tem acontecido", declarou, remetendo mais detalhes para o debate a realizar depois dos incêndios terem chegado ao fim.

Segundo o presidente da Câmara de S. Pedro do Sul, mais de um terço do concelho foi consumido pelas chamas. Agora, pelas serras, que nos roteiros turísticos aparecem designadas como “montanhas mágicas”, há um manto negro que se estende por dezenas de quilómetros.

Fonte: Público.PT