15 agosto 2016

Opinião: Fogos e outras pragas

No caso de futebol já se sabe: cada português é um treinador de bancada. Mas em matéria de fogos, não deixa de ser surpreendente ver tanta gente a opinar, com a segurança de verdadeiros especialistas, sobre as suas causas ou sobre o modo de evitar a tragédia ambiental, económica e humana que provocam.

Enquanto o fogo lavra, e o povo em desespero o combate debalde de balde na mão, economistas, psicólogos, engenheiros, polícias, militares, jornalistas, criaturas das mais diversas áreas, para lá de opinadores encartados, e, claro, de políticos, invadem diariamente o campo mediático para produzir um fluxo palavroso que, como os fogos, corre em várias direções e é alimentado pelo vento.

A nossa melhor indústria é, decididamente, a do verbo… O fenómeno dos opinadores tornou-se por cá numa verdadeira praga, que aliás alastra inevitavelmente de cada vez que se anuncia um tema ‘quente’, para soprar opiniões como quem sopra bolas de sabão. As opiniões são certamente úteis, mas vindas de quem tem conhecimento do que fala. De outra maneira, em vez de clarificarem, só obscurecem. E para lançar fumo sobre nós, já bastam os fogos…

José Rodrigues
Correio da Manhã