11 agosto 2016

Mais de 2.400 operacionais combatem maiores fogos no Continente e na Madeira

Nuno Andre Ferreira/LUSA
Mais de 2400 operacionais combatiam, às 17h30 desta quinta-feira, 15 grandes fogos florestais no continente português, ao mesmo tempo que na Madeira vários focos de incêndio continuam a mobilizar as autoridades.

A Câmara Municipal do Funchal estimou hoje em 55 milhões de euros os prejuízos materiais nos bens privados e públicos no concelho provocados pelos incêndios que deflagraram na segunda-feira. As chamas já consumiram uma área de 500 hectares.

Os incêndios, que continuar a afetar a ilha da Madeira, embora com menor intensidade, provocaram três vítimas mortais e cerca de mil desalojados provisórios.

Para a região foram enviados 150 elementos do continente português e dos Açores na quarta-feira.

No continente, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) considerava como “ocorrências importantes”, na sua página, às 17h30, 15 incêndios rurais nos concelhos de Águeda, Anadia, Arouca, Vila Nova de Cerveira, Arcos de Valdevez, Vieira do Minho, Caminha, Viseu, Castelo de Paiva, Paredes, Resende, Vila Nova de Famalicão, Montalegre, Santa Comba Dão e Ourém.

O incêndio que mobiliza mais meios decorre no concelho de Águeda, no distrito de Aveiro, e teve início na madrugada de segunda-feira. As chamas, que consomem um povoamento florestal, estão a ser combatidas com 337 operacionais e 103 viaturas.


De acordo com a ANPC, o fogo tem quatro frentes ativas.

No concelho de Anadia, no distrito de Aveiro, encontram-se 331 elementos, apoiados por 98 meios terrestres. As chamas lavram numa zona de floresta desde as 02h30 de quarta-feira e têm três frentes ativas.

Em Arouca, também no distrito de Aveiro, estão 306 operacionais, 97 viaturas e dois meios aéreos. O fogo teve inicio às 14h35 de segunda-feira, numa área florestal. Há quatro frentes ativas.

No concelho de Ourém, em Santarém, estão 200 operacionais, 63 veículos e um meio aéreo no combate às chamas que deflagraram numa zona florestal, pelas 13h00 de hoje.

O fogo florestal em Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, que começou no domingo às 18h00, ainda mobiliza 297 elementos e 89 meios terrestres. As chamas consomem um povoamento florestal.

O incêndio rural que deflagrou em Arcos de Valdevez, que teve início às 02h11 de segunda-feira, numa zona de mato, está a ser combatido por 173 operacionais e 62 veículos.

No concelho de Vieira do Minho, no distrito de Braga, as chamas consomem uma área de mato desde as 09h45 de quarta-feira.

No local encontram-se 126 elementos e 45 meios terrestres a combater três frentes.

O fogo que deflagrou na terça-feira, cerca das 17h10, no concelho de Caminha, no distrito de Viana do Castelo, e mantém uma frente, mobiliza 119 operacionais e 35 viaturas.

Um incêndio florestal que decorre em Santa Comba Dão, no distrito de Viseu, mobiliza 105 elementos, 29 viaturas e um meio aéreo, lavrando em duas frentes. O alerta foi dado às 14h20 desta quinta-feira.

O troço entre Santa Comba Dão e Carregal do Sal, na linha ferroviária da Beira Alta, está interrompido desde que as chamas deflagraram nesta zona.

No município de Viseu, o reacendimento de um fogo que começou na segunda-feira tem agora três frentes. Para o local foram enviados 99 elementos, 37 viaturas e três meios aéreos.

Em Castelo de Paiva (Aveiro), as chamas consomem um povoamento florestal desde a madrugada de quarta-feira. No local encontram-se 84 elementos, apoiados por 24 meios terrestres e dois aéreos.

No concelho de Paredes, no distrito do Porto, estão 80 operacionais, 23 viaturas e um meio aéreo num incêndio que deflagrou às 08h00 de hoje, numa zona de mato.

Desde as 10h15 de quarta-feira que decorre um incêndio rural no concelho de Resende, no distrito de Viseu, que mobiliza 68 elementos, 18 meios terrestres e um aéreo.

Em Vila Nova de Famalicão, no distrito de Braga, estão desde a madrugada de hoje 62 bombeiros, apoiados por 22 veículos e um meio aéreo, num incêndio com duas frentes.

O incêndio que menos meios mobiliza, entre a lista dos mais significativos, lavra no concelho de Montalegre (distrito de Vila Real) desde terça-feira, às 23h00. No local estão 44 operacionais e 14 viaturas.

A Proteção Civil destaca na página como “ocorrências importantes” os fogos com duração superior a três horas e com mais de 15 meios de proteção e socorro envolvidos, mas apenas contempla os incidentes do continente, já que as regiões autónomas têm serviços próprios nesta área.


Fonte: Observador.PT