13 agosto 2016

De seis meses calmos para o “inferno de agosto”


Até ao final de julho deste ano (2016) houve menos 522 ocorrências (incêndios florestais e fogachos) que em igual período de 2015, no distrito de Viseu. Também na área ardida houve uma redução: menos 2.858 hectares de mato e floresta consumidos pelas chamas. Uma redução que também se verificou a nível nacional.

Enquanto que em 2015 se registaram em todo o país 10.340 ocorrências, este ano (de um de janeiro a 31 de julho) o número de ocorrências foi menor (- 5.058). No que diz respeito à área ardida, no ano passado as chamas consumiram 28.781 hectares, enquanto que em 2016 arderam 7.461 hectares.

A segunda semana “negra” de agosto

Terça-feira, dia 9 de agosto, foi um dos dias onde mais ocorrências se registaram no distrito de Viseu. 560 homens, 140 viaturas e seis meios aéreos estiveram mobilizados no combate ao fogo na grande maioria dos concelhos de Viseu.

O dia ficou profundamente marcado pelas 15 ocorrências, em que nove aconteceram em simultâneo. Em Couto de Baixo, concelho de Viseu, estiveram cerca de 150 bombeiros e três meios aéreos.

O Comandante Distrital de Operações de Socorro do Distrito de Viseu, Lúcio Campos, aponta o vento como o principal responsável da dimensão que o fogo atingiu. Uma catástrofe que “nunca tinha sido visto na localidade”, referiu a população.

No final do dia o incêndio estava já “dominado”, mas voltou a ter reacendimentos. Para a ajuda ao combate e à vigilância, chegaram do quartel militar de Santa Margarida duas máquinas de rasto e dois pelotões com 40 homens.

O principal objetivo era deixar os “soldados da paz” descansar por algumas horas. O comandante Lúcio Campos também estava preocupado com o incêndio que lavrava em Arouca, que poderia entrar no distrito de Viseu através de São Pedro do Sul e Castro Daire.

O que viria a acontecer poucas horas depois. Durante esta semana foram 15 os concelhos do distrito afetados pelos incêndios florestais: Armamar, Carregal do Sal, Castro Daire, Cinfães, Lamego, Mangualde, Moimenta da Beira, Nelas, Oliveira de Frades, Resende, Santa Comba Dão, Sernancelhe, Tarouca, Tondela e Viseu.


Fonte: Jornal do Centro