30 dezembro 2014

Retomadas buscas para encontrar avião da AirAsia com 162 pessoas a bordo

As buscas para encontrar o avião da AirAsia, que desapareceu este domingo entre a Indonésia e Singapura, com 162 pessoas a bordo, foram retomadas com o nascer do dia naquela região do globo.
"Retomámos as buscas pelo avião desaparecido da AirAsia às 6 horas [hora local]. Estamos a dirigir-nos para leste da ilha Belitung", disse à AFP o diretor adjunto das operações de busca e salvamento. As buscas tinham sido interrompidas ao cair da noite de noite, devido às condições meteorológicas e de visibilidade.


"Interrompemos as buscas quando começou a fazer-se noite. A meteorologia também não estava favorável", declarou antes um porta-voz do ministro indonésio dos Transportes, para explicar por que razão as operações tinham sido suspensas.

O avião Airbus 320-200 da companhia aérea de baixo custo AirAsia Indonesia (filial da malaia AirAsia Group), que fazia a ligação entre a Indonésia e Singapura, desapareceu este domingo com 162 pessoas a bordo, depois de o piloto - um profissional experiente - ter pedido para fazer um desvio no plano de voo devido às más condições meteorológicas.

O voo QZ8501 partiu do aeroporto internacional de Juanda, em Surabaia, no leste de Java, às 5.20 horas e deveria chegar a Singapura às 8.30 horas (0.30 horas em Lisboa). Às 7.55 horas (23.55 horas em Lisboa) perdeu contacto com Jacarta.

Um porta-voz dos Transportes indicou que o piloto do Airbus 320-200, que voava a cerca de 32 mil pés de altitude (9,76 quilómetros), pediu permissão para subir até aos 38 mil pés (11,59 quilómetros), menos de uma hora depois de descolar de Surabaia, segundo o diário "Jakarta Globe".

A AirAsia confirmou o pedido e que este se deveu ao mau tempo. Só depois disso é que a comunicação com o avião se perdeu, quando este ainda estava sob o Controle de Tráfego Aéreo da Indonésia.

"No presente momento, infelizmente, não temos mais informações sobre o estado dos passageiros e dos tripulantes a bordo, mas vamos manter todas as partes informadas sempre que forem disponibilizadas mais informações", explicou um responsável da AirAsia.

O diretor geral do transporte aéreo da Indonésia, Djoko Murjatmodjo, disse que as buscas estiveram concentradas numa área entre a ilha Belitung e Kalimantan, na parte ocidental da ilha do Bornéu, a cerca de meio caminho da rota esperada do voo QZ8501.

"Estamos a coordenar com as equipas de busca e à procura da sua posição. Acreditamos que (o aparelho) estará algures entre Tanjung Pandan, uma localidade na ilha de Belitung, e Kalimantan", afirmou antes das buscas serem suspensas.

Um Boeing 737 da Força Aérea da Indonésia, seis navios e três helicópteros participaram, este domingo, na operação de busca e resgate. Austrália, EUA, Reino Unido, Coreia do Sul e Índia ofereceram ajuda com meios de busca e salvamento, mas também com apoio de peritos e investigadores.

"Primeiro vamos supervisionar a zona e se encontrarmos um objeto, então contactaremos com a Agência Nacional de Busca e Resgate. Suspeitamos que o avião desaparecido pode estar nessas águas", declarou ou porta-voz da Força Aérea, Hadi Tjahjanto.

As operações de busca e salvamento foram ativadas pelas autoridades indonésias do departamento de buscas e resgate de Pangkal Pinang e a Marinha e Força Aérea de Singapura ofereceram ajuda.

O diretor geral do transporte aéreo da Indonésia disse à AFP que o avião transportava sete tripulantes e 155 passageiros - 138 adultos, 16 crianças e um bebé.

Entre as pessoas que seguiam no voo QZ8501 há 155 indonésios, três coreanos, um malaio, um singapurense, um inglês e um francês, de acordo com um comunicado da AirAsia publicado na página do Facebook da companhia aérea, que mudou a cor para negro após a confirmação do desaparecimento do avião.

No aeroporto internacional de Juanda, em Surabaia, familiares e amigos dos passageiros esperam por informações sobre o paradeiro do voo QZ850.

A Casa Branca informou que está a acompanhar o desaparecimento do avião e que o Presidente Barack Obama está a ser informado sobre o assunto.

Terceiro incidente com uma transportadora da Malásia este ano

Este é o terceiro grande incidente a envolver companhias aéreas da Malásia este ano. O voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, desapareceu em março, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim. O aparelho continua desaparecido.

Em julho, um segundo aparelho da mesma companhia, que operavao voo MH17, foi alegadamente derrubado no leste da Ucrânia, provocando a morte das 298 pessoas a bordo.


Enquanto a Malaysia Airlines enfrenta um potencial colapso após os dois desastres deste ano, a AirAsia confirmou este mês uma encomenda de 55 A330-900 ao preço de tabela de 15 milhões de dólares, escreve a agência AFP.

JN