10 novembro 2014

"Legionella": Quatro óbitos e 180 doentes infectados

O número de mortes por 'legionella' na região da Grande Lisboa subiu para quatro, disse hoje o director-geral da Saúde, confirmando o último caso.
"Temos 180 casos confirmados dos quais 24 internados em cuidados intensivos, e quatro óbitos e há uma quinta situação que ainda está em investigação em termos de diagnóstico mas que irá seguramente juntar-se a estes quatro casos", disse Francisco George (na foto) à entrada para uma reunião na Direcção Geral de Saúde.

O hospital de Vila Franca de Xira já registou 96 casos de doentes infectados com 'legionella', tendo registado mais duas mortes hoje, que se somam a outra ocorrida no sábado, segundo uma nota de imprensa enviada à Lusa.

"Até às 12h00 de hoje, foram registados 96 casos diagnosticados com a infecção por 'legionella' no Hospital de Vila Franca de Xira", lê-se no documento, que explica que "desde o último ponto de situação, registaram-se dois óbitos, um homem de 66 anos de idade, e uma mulher de 81 anos, ambos com história clínica de patologia diversa e grave".

No ponto de situação enviado à Lusa às 13:30, afirma-se que "encontram-se, de momento, 59 doentes internados" e acrescenta-se que "foram igualmente transferidos para unidades centrais um total de 32 doentes".

Sobre o tempo médio de espera no serviço de urgência, diz-se que é de 15 minutos e garante-se que o hospital "activou os mecanismos necessários para responder a este aumento de procura excepcional, encontrando-se em articulação com as autoridades de saúde".

O Hospital de Vila Franca Xira começou na sexta-feira a receber doentes contaminados com a bactéria 'legionella'.

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse no sábado que foi accionado um plano de contingência para lidar com o surto de 'legionella', enquanto o Director geral da Saúde já havia admitido que o surto verificado "é um problema que não é habitual" dada "a magnitude e gravidade".

A bactéria 'legionella' é responsável pela Doença dos Legionários, uma pneumonia grave, cuja infecção se transmite por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada.

Todos os casos de doentes infectados por 'legionella' que estão nos hospitais de Lisboa têm ligação a Vila Franca de Xira, disse hoje o director-geral de Saúde, numa declaração aos jornalistas, na qual confirmou o quarto óbito.

Todos os casos estão ligados a Vila Franca de Xira

"Todos os casos, mesmo os de fora de Lisboa, têm uma ligação a Vila Franca de Xira, ou trabalham, ou estiveram lá, ou têm relações de qualquer tipo lá", disse Francisco George, sublinhando que "a grande maioria das situações aponta para Vila Franca".

A bactéria 'legionella' é responsável pela Doença dos Legionários, uma pneumonia grave, cuja infecção se transmite por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada.

O director-geral de Saúde confirmou que ainda não está identificado o foco do surto, mas considerou seguro que "o problema está na água, não sabemos se na rede municipal, se nas torres de refrigeração, se em grandes armazéns comerciais ou fabris", e por isso "todos estão a ser investigados".

Nestas declarações aos jornalistas à entrada para uma reunião da equipa que está a coordenar as investigações, e a seguir à qual se seguirá uma comunicação, pelas 19:30, Francisco George disse também esperar um quinto óbito, mas não o ligou directamente à 'legionella', dizendo aguardar pelos resultados laboratoriais.

O director-geral de Saúde admitiu que "este é um surto grave", mas lembrou que "não é ímpar em termos de descrições na Europa e nos Estados Unidos", garantindo que "conhecemos muito bem o comportamento desta bactéria, como evolui, como se transmite, como se deve tratar".

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse no sábado que foi accionado um plano de contingência para lidar com o surto de 'legionella', enquanto o Director geral da Saúde já havia admitido que o surto verificado "é um problema que não é habitual" dada "a magnitude e gravidade".

Jornal de Negócios