09 novembro 2014

A Primeira Vitima da "Legionella" era Bombeiro em Vialonga


Morreu este sábado Fernando Azeitona, de 59 anos, infetado com a bactéria 'legionella'. O diretor clínico do hospital de Vila Franca de Xira, Carlos Rabaçal, confirmou que o óbito foi declarado três horas depois do homem ter dado entrada na unidade hospitalar.

O primeiro caso de morte confirmada por 'legionella' no hospital de Vila Franca de Xira vitimou um homem já com problemas respiratórios e com morbilidades associadas, tendo a infeção potenciado esse quadro clínico já de si negativo.

"O doente que faleceu já tinha morbilidades associadas, tinha doenças respiratórias, doença pulmonar obstrutiva crónica, era um fumador e já tinha uma pneumonia, ou seja, já tinha uma doença do foro pneumológico, o que faz com que o quadro clínico seja mais complicado", disse à Lusa uma fonte oficial do hospital de Vila Franca de Xira.

A vítima mortal era bombeiro em Vialonga. Fernando Azeitona, de 59 anos, era motorista de pesados de profissão.

O número de infetados com 'legionella' já vai em 90, confirmou às 20h00 deste sábado Francisco George, diretor-geral de saúde. Na sexta-feira, 33 pessoas deram entrada no Hospital de Vila Franca de Xira, mas só neste hospital o número de casos diagnosticados já aumentou para os 59.

Dos 90 casos diagnosticados, dezasseis estão nos Cuidados Intensivos e correm risco de vida, confirmou Francisco George.

O diretor-geral da Saúde afirmou também que ainda é desconhecida a fonte da contaminação. Sabe-se apenas que o contágio é feito por inalação da água, ou seja, respirando gotículas da água ou aerossóis, por exemplo.

Das pessoas infetadas, 47 estão internadas no Hospital de Vila Franca de Xira. Os restantes pacientes que ficaram internados depois de diagnosticados, encontram-se em diferentes hospitais da zona da Grande Lisboa.

"Os casos são todos oriundos de Vila Franca", referiu ainda fonte oficial da Administração Regional de Saúde de Lisboa.

Vítima de 'legionella' esperou horas na urgência

Filhas do bombeiro que morreu relataram quadro caótico no atendimento do Hospital de Vila Franca de Xira.


fonte: Bernardo Esteves/Correio da Manhã