29 outubro 2014

Bombeiros de quartéis urbanos ganham fatos de luxo para combater fogos florestais

Campanha de instituição bancária ajuda a suprir atrasos na entrega de equipamentos do Estado, mas sortear fardas não é pacífico

Bombeiros voluntários de vários quartéis urbanos em cuja área de intervenção existem poucas ou nenhumas zonas de mata ganharam esta terça-feira fardas de luxo para combaterem incêndios florestais, tal como colegas seus de zonas do país mais expostas a este tipo de sinistro.

Uma campanha do banco Big lançada depois de terem morrido nas florestas nove bombeiros no Verão de 2013 angariou 140 mil euros para 300 equipamentos de protecção individual, agora sorteados por 60 corporações por todo o país. A cada uma delas couberam cinco fatos de luxo com todas as novas certificações exigidas por lei: capacete, casaco e calças em viscose com fibra acrílica, botas e outros acessórios. Tudo desenvolvido por uma empresa portuguesa em conjunto com os bombeiros de Carregal do Sal, que no ano passado perderam um homem e uma mulher no Caramulo. Se um bombeiro desmaiar em pleno incêndio, por exemplo, uma pega inserida no fato e que lhe passa por baixo dos braços permite arrastá-lo com maior facilidade para longe do local de perigo. Cada equipamento ficou muito mais caro do que aqueles que deviam ter sido distribuídos pelo Estado este Verão, e que em muitos casos tardam em chegar. Segundo o fabricante, a Onwork, os equipamentos pagos pelo banco só começam a carbonizar aos 400 graus e aguentam 200 graus durante meia hora seguida, além de terem especial resistência a rasgões. Para incêndios urbanos é que não servem, diz o principal responsável da empresa, João Sousa.

Fonte: Público