22 setembro 2014

Buscas com cães confirmam inexistência de vítimas na queda de muro em Lisboa

As buscas da equipa cinotécnica dos Regimento Sapadores Bombeiros de Lisboa confirmaram a inexistência de vítimas na queda do muro no Colégio D. Maria Pia, em Madre Deus, em Lisboa.

O segundo comandante do Regimento Sapadores de Lisboa, Tiago Lopes, disse à agência Lusa que "havia a suspeita de crianças poderem ter sido apanhadas pela derrocada" do muro, porém salientou que os cães utilizados "não detetaram qualquer corpo".
"Depois de o muro cair, a listagem de alunos foi conferida e não se sabia de quatro alunos. Por isso, havia a tal suspeita, que não se confirmou, uma vez que os quatro alunos estavam já em casa", afirmou o major Tiago Lopes, numa altura em que o dispositivo de socorro começava a desmobilizar (18:20).
O vice-presidente da Casa Pia, Eduardo Vilaça, sublinhou que o acidente ocorreu "antes do fim das aulas", no Colégio D. Maria Pia, com cerca de seis centenas de alunos, de crianças a adolescentes.
"Quando caiu o muro, não passava por lá ninguém", disse o responsável acrescentando que "nada fazia prever a derrocada".
O muro, de alvenaria, de três metros de altura e cerca de 15 metros de comprimento, caiu pouco depois das 16:00, na sequência da intempérie que se abateu sobre Lisboa.
No Colégio D. Maria Pia foi montado um dispositivo de socorro, com 65 elementos do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, Bombeiros Voluntários do Beato, Polícia de Segurança Pública, Proteção Civil e Instituto Nacional de Emergência Médica, apoiados por 19 viaturas.

Fonte: RTP