28 agosto 2014

Bombeiros de Lordelo destroem ninhos de vespa asiática a 10 minutos do Porto

Paredes, 28 ago (Lusa) - Os bombeiros de Lordelo, Paredes, localidade a cerca de 10 minutos do Porto, destruíram nas últimas semanas sete ninhos de vespa asiática, um dos quais com um metro de comprimento, disse hoje à Lusa o comandante.

Segundo Pedro Alves, o caso mais complicado aconteceu na localidade de Parteira, a cerca de seis quilómetros do centro de Lordelo.

Os bombeiros foram alertados para a existência de vespas asiáticas e, à chegada, depararam-se com um ninho com mais de um metro de comprimento e 80 centímetros de largura.

"Nesse caso, tivemos de pedir permissão ao proprietário do terreno para derrubar a árvore", contou Pedro Alves.

Contudo, acrescentou, nessa operação "o ninho partiu-se a meio e algumas vespas fugiriam e começaram a fazer ninhos em habitações das redondezas".

No mesmo dia, a corporação destruiu mais três ninhos.

"Conforme somos alertados, procedemos à destruição dos ninhos, mas algumas vespas conseguem fugir e começam a fazer ninho noutros locais", alertou.

De acordo com Pedro Alves, a "situação não está sanada".

"Há vespas que fogem dos ninhos destruídos e já temos relatos de novos ninhos a aparecer", insistiu.

Na região do Tâmega e Sousa, outros concelhos têm sido afetados pela vespa asiática.

Em Amarante e Celorico de Basto, vários ninhos já foram destruídos pela proteção civil.

No concelho do Marco de Canaveses, os bombeiros relataram à Lusa uma situação, na freguesia de Constance.

Também em Paredes, os Bombeiros de Baltar já foram também acionados para destruir um ninho de vespas asiáticas.

Na quarta-feira, em Penafiel, o secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza avançou à Lusa que, em setembro, serão anunciadas ações concretas para monitorizar e controlar a vespa asiática em Portugal.

"Esperamos apresentar as atividades que vão ter lugar no território", explicou Miguel de Castro Neto, acrescentando que o Governo "está a acompanhar a situação", num trabalho que envolve várias secretarias de Estado.

O secretário de secretário de Estado admitiu a necessidade de "dar informação, segurança e proteger pessoas e bens".

Defender a atividade económica associada, que é a apicultura", é outro objetivo do plano, assinalou.

APM // JGJ

Lusa/fim