29 julho 2014

Metro de Lisboa abre inquérito para apurar causas do acidente

O Metropolitano de Lisboa confirmou, esta terça-feira, a ocorrência do acidente comboio, no término da Estação do Aeroporto, na Linha Vermelha, que vitimou o maquinista. "O comboio encontrava-se em zona de manobras pelo que não levava passageiros", esclarece a empresa.

"Trata-se de uma situação que não poderia ocorrer em exploração, uma vez que os sistemas e normas de segurança em exploração não o permitiriam e o sistema de travagem atuaria de imediato. Mais se informa que o comboio em questão já tinha ativo o sistema de freios eletromagnéticos", escreve a empresa do Metropolitano de Lisboa (ML), num esclarecimento enviado às redacções.

A estação de metropolitano do Aeroporto esteve encerrada, esta terça-feira, depois do acidente que deixou o maquinista ferido, pelas 12.33 horas. 

Segundo o Instituto Nacional de Emergência Médica, o funcionário do Metropolitano de Lisboa, de 42 anos, foi transportado ao hospital "com suspeita de fratura num punho e diversas escoriações".

"Neste momento, a nossa maior preocupação recai em prestar todo o apoio que se vier a afigurar necessário ao maquinista ferido e à sua família, sendo que o ML já abriu um inquérito para apurar as causas deste acidente", esclarece, ainda, o comunicado da empresa.

A composição do Metro de Lisboa estava a fazer inversão de marcha na estação do Aeroporto, num dos extremos da Linha Vermelha, e descarrilou. A composição "não conseguiu parar a tempo e embateu na parede", informou fonte policial.

O Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa esteve no local, com três carros e dez homens