01 julho 2014

Estudantes criam casaco para localizar e monitorizar bombeiros

A tecnologia aplicada em casacos de bombeiros poderá também vir a ser usada com bebés, crianças e idosos com alzheimer.

Alunos do ensino profissional criaram um protótipo de casaco para ser usado por bombeiros no combate a incêndios florestais, que permite monitorizar as funções vitais do bombeiro e as condições que o rodeiam, enviando os dados em tempo real para uma aplicação Android. O projecto SmartGear, como é chamado, venceu o prémio INOVA 2013/2014.

Perante o cenário do ano passado, em que oito bombeiros morreram no combate aos fogos florestais, três alunos da Escola Profissional Mariana Seixas, em Viseu, criaram um protótipo de casaco “inteligente” de combate a incêndios florestais, para “salvar a vida de quem salva as nossas vidas”, como afirma um dos autores do SmartGear, Ricardo Gomes.

Aparentemente é um casaco de bombeiro normal. O que o distingue dos demais é o equipamento tecnológico que lhe é aplicado através de velcros. O dispositivo é constituído por dois sensores de temperatura – um para medir a temperatura do corpo do bombeiro e outro a temperatura do ambiente que o rodeia –, “um acelerómetro e um inquilinómetro”, que funcionam em conjunto para detectar eventuais quedas, e um “módulo GPS” que permite acompanhar a localização do bombeiro em tempo e mapa reais. 

O dispositivo sem fios faz uso do sistema Bluetoothpara comunicar os dados obtidos através de uma aplicação Android, possibilitando uma rápida intervenção de auxílio ao bombeiro, se este estiver em situação de risco.

O conceito SmartGear é da autoria de Ricardo Gomes e André Silva, alunos do curso de Electrónica, Automação e Computadores, e Soraia Pinzar, de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade e foi o vencedor da edição nacional do Programa INOVA 2013/2014, entre outros prémios.

Ao PÚBLICO, Ricardo Gomes explica que a tecnologia poderá ser adaptada a outras situações, por exemplo, com bebés e crianças – “permite aceder à localização ou até controlar a febre” -, e idosos, nomeadamente com alzheimer.

"Através de um simples telemóvel com a aplicação podemos saber a localização da pessoa e até saber se está caído ou em situações de perigo”, explica o jovem.

O equipamento já foi apresentado ao Comando Distrital de Operações e Socorro de Viseu, que reconheceu ser uma mais-valia na defesa dos bombeiros. Espera, agora, investimento. 


fonte: Público