18 julho 2014

Autor de incêndio continua à solta

PJ apresenta provas que negam que homem, com profundo atraso cognitivo, detido pela GNR seja responsável pelo sinistro. Foi a tribunal e levado a casa. 

É conhecido na freguesia de Morais, em Macedo de Cavaleiros, por ‘Armandinho da Sobreda’. Tem 58 anos, profundo atraso cognitivo e foi detido pela GNR, com quatro isqueiros, nas imediações do incêndio que anteontem assolou Cortiços e Carrapatas. A PJ tem, contudo, provas testemunhais de que o indivíduo, à hora do início do fogo, estava a dezenas de quilómetros de distância do local. Presente à justiça, o homem foi solto e levado pelas autoridades a casa da irmã. O incêndio terá deflagrado às 12h35 numa área de mato junto à EN102-1, no limite das freguesias atingidas, e propagou-se por uma área florestal a cerca de 500 metros da via. A população não acredita que o homem detido tenha estado na origem do incêndio, que mobilizou mais de 100 homens e que causou ferimentos a quatro bombeiros de Miranda do Douro e um de Izeda. Nuno Magalhães, de 32 anos, partiu uma perna e sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus nas costas, nos braços e na cara. Ficou com cerca de 50 por cento do corpo queimado. Foi assistido no hospital de Bragança e transferido ao final da tarde de anteontem para o hospital da Prelada, Porto, onde permanece ventilado, com prognóstico reservado, mas estável. "Temos de apurar o que se passou no terreno", disse ao CM o comandante da corporação, Luís Martins. Um dos outros três bombeiros de Miranda teve alta horas após dar entrada na unidade. Um outro homem regressou ontem a casa e uma bombeira deverá ter alta hoje. O elemento de Izeda foi assistido no local.

Fonte: CM