23 junho 2014

Jovem de Sever do Vouga não explicou à PJ razões para alvejar avó

O jovem detido sexta-feira à noite por alvejar, à queima roupa a avó, em Pessegueiro do Vouga, Sever do Vouga "tentou ainda disparar um segundo tiro, mas a arma acabou por encravar", informa hoje a PJ de Aveiro.

O alegado autor do disparo não apresentou nos primeiros interrogatórios uma motivação para o ato violento.

A falha mecânica "impediu que o menor conseguisse consumar o homicídio" da familiar próxima com quem residia, refere um comunicado.

O jovem estudante do ensino profissional agora em prisão preventiva tinha sido detido pela PJ na passada terça-feira, pelo crime de incêndio florestal em Oliveira de Frades e estava obrigado a apresentações diárias no posto da GNR da área da sua residência. 

A polícia não relaciona, para já, os dois casos, apesar de vizinhos da vítima colocarem a possibildade do jovem não aceitar bem a alegada pressão dos avós para cumprir com as medidas de coação à risca. 

De acordo com a PJ, o detido dirigiu-se a casa do patrão e furtou-lhe uma arma de calibre 6.35mm adaptada e indocumentada, que se encontrava municiada. 

"À noite, depois do jantar, quando o seu avô já se tinha ido deitar e a sua avó se encontrava recostada num sofá a ver televisão, aproximou-se dela por trás e disparou, a muito curta distância, atingindo-a na cabeça", lê-se no comunicado. 

A sexagenária foi tratada nos Hospitais da Universidade de Coimbra, estando livre de perigo.

Não havia indicação segura que o rapaz tivesse a pretensão de matar também o avô, se a arma funcionasse.

Fonte: Notícias de Aveiro