02 junho 2014

GNR reforça patrulhamento e vigilância nas florestas

A GNR vai reforçar as acções de patrulhamento e vigilância nas zonas florestais para prevenir e detectar o surgimento de incêndios florestais no âmbito da operação "Floresta Segura", indicou hoje a corporação.

A operação, que vai decorrer em todo o país até 31 de Outubro, tem também como finalidade reprimir as actividades ilícitas contra o património florestal, refere a GNR, em comunicado.

Para tal, a Guarda Nacional Republicana vai empenhar 591 militares do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) em acções de primeira intervenção de combate a incêndios florestais, operacionais que vão dar apoio à Autoridade Nacional de Protecção Civil.

A GNR adianta que vão estar também envolvidos 948 militares e civis do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), que vão validar e medir as áreas ardidas e investigar as causas dos incêndios. 

Para coordenação das actividades de vigilância foi criada junto de cada Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), uma equipa de manutenção e exploração de informação florestal, constituída por militares da estrutura territorial da GNR, refere a corporação, acrescentando que estão ainda empenhadas forças a cavalo, nas zonas mais acidentadas, e equipas náuticas nas águas interiores.

A GNR tem ainda sob a sua responsabilidade 229 postos de vigia.

Lusa/SOL