30 maio 2014

Saúde mental: Faltam respostas para crianças e jovens


Estado português sem meios para acolher crianças e jovens com problemas de saúde mental que são retirados às famílias.

A Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, alertou esta quinta-feira para a necessidade de o Estado criar respostas específicas para crianças e jovens que são retirados às famílias e têm problemas de saúde mental. “Há uma falta de capacidade de resposta gritante para casos em que há problemas de saúde mental e esta é uma responsabilidade do Estado português”, afirmou a responsável no ‘Encontro Jovens em Acolhimento Institucional”, realizado na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Atualmente, estas crianças e jovens são colocados em lares de infância e juventude ou centros de acolhimento temporário, juntamente com os restantes. “É um problema muito grave. É muito traumático para os restantes jovens assistirem a situações de crise constantes”, disse ao CM Vânia Pereira, coordenadora do Lar de Infância e Juventude de Reguengos de Monsaraz. Fernanda Barros, responsável pela saúde mental da região do Alentejo, denunciou a existência de casos em que as instituições recusam jovens com estes problemas. “Um rapaz de 16 anos internado com esquizofrenia grave e muito agressivo esteve dois meses no hospital de Évora porque não havia instituições para o receber. Em Portugal só há respostas para adultos”, disse. Joana Marques Vidal falou ainda no aumento de situações de crianças e jovens refugiados que Portugal acolhe mas que acabam por cair nas mãos de redes criminosas. A procuradora prometeu para breve uma reunião com responsáveis da Segurança Social e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. No encontro foram apresentados os casos de quatro instituições que acolhem 143 crianças e jovens e são apoiados pela Gulbenkian no 'Programa Crianças e Jovens em Risco'. Segundo o coordenador do programa, Daniel Sampaio, há o objetivo de "analisar e extrair conclusões que sejam diretrizes para o futuro".

Fonte: CM