27 maio 2014

Salários dos Bombeiros de Monção pagos hoje graças a transferência da Câmara

Actualmente, a dívida total da corporação ronda os 159 mil euros, 59 mil dos quais a fornecedores.


Os salários de Abril dos Bombeiros de Monção foram pagos nesta terça-feira graças a uma transferência de cerca de 11 mil euros da Câmara Municipal, anunciou à Lusa o ex-presidente da direcção da instituição.

"Já foram pagos hoje os salários em atraso relativos a Abril aos 25 bombeiros assalariados da corporação face à transferência, por parte da Câmara de verbas em atraso", disse Jorge Almeida.

De acordo com dados do ex-presidente, a corporação paga mensalmente cerca de 15 mil euros em ordenados.

"Além da verba transferida pela autarquia, temos algum dinheiro na conta, o que nos permitiu completar o valor dos ordenados", afirmou.

Contactado pela Lusa, o comandante da corporação, José Passos, confirmou que "os salários de Abril foram hoje pagos", mas lembrou que os de Maio vencem dentro de três dias.

Também questionado pela Lusa o ex-presidente da direcção sublinhou que essa já será "uma responsabilidade da futura comissão administrativa" da corporação.

A estrutura provisória irá gerir os bombeiros até à convocação de eleições, na sequência da crise directiva aberta desde o início deste mês, tal como ficou definido na assembleia-geral da associação realizada sexta-feira passada.

Nessa reunião, segundo adiantou na altura Jorge Almeida, foi anunciado pelo presidente da mesa a existência de uma proposta para assumir a liderança da comissão administrativa, a ser formalizada esta semana.

Os cerca de 11 mil euros transferidos hoje pela autarquia dizem respeito "a dois duodécimos", explicou à Lusa o presidente socialista Augusto Domingues.

"Um estava em dívida desde Janeiro, por causa do chumbo do Orçamento deste ano, e o outro é relativo ao mês de Maio", adiantou o autarca.

A Câmara de Monção começou o ano em gestão corrente, assumindo apenas o pagamento de vencimentos, dívidas e contas. A proposta de orçamento daquele município para 2014, apresentada pela liderança socialista da autarquia, foi chumbada em Dezembro pelos vereadores do PSD e do CDS-PP que, juntos, são maioritários.

A direcção que se demitiu em bloco no início de Maio, alegou "incompatibilidades com o comando e o corpo activo". Tinha sido eleita em Junho de 2012, após quatro tentativas falhadas por falta de listas candidatas, devido às dificuldades financeiras que a corporação atravessa.

A esse acto eleitoral concorreu uma única lista, liderada por Jorge Almeida, e participaram na votação cerca de 50 associados.

Nessa altura, segundo dados do agora ex-presidente dos bombeiros, a dívida total da corporação rondava os 527 mil euros, dos quais 253 mil a fornecedores.

"Só em dois anos de mandato, conseguimos reduzir a dívida total em cerca de 368 mil euros", avançou. Actualmente, segundo Jorge Almeida, a dívida total ronda os 159 mil euros, 59 mil dos quais a fornecedores.

Fonte: Público