03 maio 2014

Mortes por deslizamento no Afeganistão sobem para 2100

Chuvas torrenciais arrastaram parte de uma montanha e soterraram aldeia onde viviam mais de 1000 famílias. Tropas internacionais à espera de pedido de ajuda.

Pelo menos 2100 pessoas morreram na sexta-feira, numa zona remota do Afeganistão, devido a deslizamentos de terra provocados por chuvas torrenciais. O número de mortos confirmados eleva-se bastante, segundo informações prestadas neste sábado por um porta-voz local, citado pelas agências internacionais.

O mesmo responsável do governo na província de Badakhshan, no Nordeste daquele país e perto da fronteira com o Tajiquistão, China e Paquistão, disse que o número de mortes confirmadas (350 na sexta-feira) tinha aumentado bastante, ultrapassando por agora 2100. As buscas envolvem sobreviventes, moradores de aldeias vizinhas e um pequeno número de polícias, segundo Naweed Forotan, citado pela Reuters. As equipas de salvamento estão equipadas com utensílios básicos.

O risco de novas derrocadas e deslizamentos continuam. As Nações Unidas tentam ajudar os cerca de 4000 desalojados que este acidente provocou.

Um chefe de polícia de Badakhshan, o coronel Abdul Qadeer Sayad, disse à Reuters que se conseguiu colocar uma escavadora no terreno mas acrescentou que "é impossível encontrar sinais de vida ou das casas nas partes mais afectadas". Uma aldeia inteira ficou soterrada. Na sexta-feira, dizia-se que cerca de 300 casas ficaram sob mais de 100 metros de lama. Teme-se que outra parte da montanha que desabou venha ainda a deslizar, apanhando quem se envolveu nas tentativas de resgate.

“A parte da montanha que desabou é tão grande que não acredito que alguém tenha sobrevivido”, disse à Reuters, logo na sexta-feira, Naweed Forotan, porta-voz do governador. A mesma fonte declarou que mais de 1000 famílias viviam naquela aldeia.

Forças militares lideradas pela NATO naquele país estão de prevenção, caso sejam chamadas, mas até agora o governo afegão não pediu ajuda. O Presidente dos EUA, Barack Obama, declarou que as forças norte-americanas ali colocadas estão porntas a ajudar. "

Este desastre teve lugar uma semana depois de outro período de chuvas torrenciais e de cheias, que matou centenas de pessoas no Norte deste país afectado por décadas de guerra e que figura na lista dos mais pobres do mundo.

Fonte: Público