21 maio 2014

Banco de Investimento Global (BiG) e a Corporação de Bombeiros de Carregal do Sal Adquirem Fatos "anti chamas'"


Noventa e cinco Bombeiros da Corporação de Carregal do Sal receberam vestuário que revoluciona o combate às chamas. Botas resistentes a objetos perfurantes e fatos que facilitam o salvamento dos bombeiros feridos

O Banco de Investimento Global (BiG) e a Corporação de Bombeiros de Carregal do Sal são os 'autores' do primeiro equipamento individual de segurança, apresentado esta terça-feira. Este equipamento foi desenvolvido pelas duas entidades nos últimos quatro meses, devendo substituir em breve os fatos-macaco de sarja, ou seja, as roupas passíveis de inflamarem. 

Os novos equipamentos certificados de acordo com as normas de segurança, têm características que facilitam o trabalho dos bombeiros. Além de maior resistência ao calor, a grande novidade é o facto de na parte traseira do casaco existir uma fita, ligada a uma cinta, através da qual um bombeiro ferido pode ser puxado pelos colegas, sem que o equipamento se rasgue. Este sistema de resgate por arrastamento vai permitir evitar situações dramáticas como as vividas em 2013, quando oito bombeiros perderam a vida no combate aos fogos.

As botas são outra das grandes inovações neste novo equipamento: a palminha têxtil apresenta extrema resistência a objetos perfurantes, ou seja, "nem pisando um prego elas conseguem ser perfuradas, dada a sua resistência", explicou o comandante dos Bombeiros de Carregal do Sal.

As luvas, impermeáveis e com resistência ao calor, dispõem agora de um sistema de ligação às mangas do casaco, de modo a que não entre qualquer tipo de partícula como fagulhas provenientes do fogo. O equipamento está coberto de faixas refletoras, o que facilita a visibilidade em zonas mais escuras, e as calças, compostas por duas camadas, foram construídas de modo a que não se acumule água, em caso de cheias.

O 'modelo' de Carregal do Sal

"Sinto que o problema em Carregal do Sal está resolvido, mas sei que a nível nacional ainda há muito para resolver. Espero que esta iniciativa seja um estímulo para um maior apoio aos bombeiros do nosso país", disse ao Expresso Miguel Ângelo, dos Bombeiros Voluntários de Carregal do Sal. Este processo "é o reconhecimento do esforço e da bravura que caracteriza o trabalho dos nossos homens, que todos os anos dão a vida por outros, sem pedir nada em retorno".

"Este é um projeto de paixão, sentimento e solidariedade", é como Jaime Rodrigues descreve a iniciativa do Banco BiG. Para o Presidente da Liga de Bombeiros Portugueses, este é "o primeiro passo para reequacionar a posição dos bombeiros". Questionado pelo Expresso quanto ao acesso a estes novos equipamentos por todos os bombeiros do país, o presidente espera "que isso se realize o mais depressa possível. Esperamos num espaço entre dois a três anos, todas as corporações do país estejam devidamente equipadas".

António Fortunato, 36 anos, destaca a mobilidade que lhe garantem o novo casaco e as calças. Para o homem que combate as chamas há 16 anos e que já teve acesso ao novo equipamento, este é equipamento é uma nova garantia de segurança: "Estaremos muito mais seguros e protegidos quando estivermos a combater numa frente de incêndio" garante, em declarações ao Expresso, o homem que e que esteve na noite que antecedeu a tragédia na Serra do Caramulo, onde quatro bombeiros que substituíram a sua equipa perderam a vida.

"Vamos proteger quem nos protege"

Após a apresentação dos novos uniformes, o Banco BiG apresentou a campanha "Vamos proteger quem nos protege", de apoio aos bombeiros do nosso país. Para que os novos equipamentos cheguem a todos aqueles que combatem as chamas ano após ano, o Banco vai abrir uma conta bancária para a qual podem ser feitos donativos. 

Por cada euro doado, o BiG compromete-se a doar um montante igual ao donativo para a Liga de Bombeiros Portugueses. A cada conta aberta por novos clientes, o Banco fará um donativo de vinte euros. Com esta iniciativa, o BiG espera conseguir chegar a um montante de "500 mil euros até ao final do mês de setembro deste ano". 

"É nos momentos de tristeza que a sociedade se une", diz Paulo Figueiredo, Administrador do Banco BiG, ao relembrar os desastres que se sucederam no último ano. O verão está a chegar e nem tudo é positivo nesta estação. Para uns, a estação do ano significa dias intermináveis de praia, para outros, chega a incerteza quanto a um "amanhã". É o caso dos bombeiros, que todos os anos dão a vida por aqueles que não têm como se proteger.