16 abril 2014

Mais homens e meios para o combate aos incêndios

O dispositivo para a próxima época de fogos florestais vai contar com mais homens e mais meios. A revelação foi feita à Rádio Condestável, em Pampilhosa da Serra à margem das comemorações do dia do concelho, pelo Comandante Nacional de Operações de Socorro, José Manuel Moura. 

Espera-se igualmente que todos os agentes de proteção civil tenham feito o seu trabalho de casa. Mas se o homem manda nele próprio não manda nas condições meteorológicas e “por muitos esforço e meios que haja, se houver um ano com uma severidade significativa, há sempre variáveis que não dominamos”, reforçou José Manuel Moura na esperança de que “a conjuntura não seja tão grave como no ano passado. O país não suporta que tenhamos 400 ou 500 ignições por dia. Os meios não são infinitos”, alimentou.

Igualmente como forma de evitar tragédias como as que aconteceram no ano passado, desde outubro último decorre formação aos bombeiros, com treino operacional, estando envolvidos mais de 3600 homens. “Desde outubro do ano passado não parámos um dia na identificação dos constrangimentos que encontrámos em 2013 e tentámos, para cada um deles, encontrar uma medida”, esclareceu este comandante falando, entre muitos outros, de um curso de segurança e comportamento do fogo que decorreu na Lousã. 

O objetivo é envolver o maior número de operacionais para que cada um que integra o dispositivo “não diga que desconhece as 10 regras de segurança, as 18 situações que ditam perigo ou o protocolo e segurança”, nomeou, considerando que “são determinantes par que consigamos chegar ao fim com zero baixas”.

Fonte: Rádio Condestável