03 abril 2014

Combater incêndios com um produto químico

No dia 10 de abril será apresentado na Figueira da Foz, à Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), uma tecnologia de combate a incêndios com base num produto químico.

Trata-se de um produto químico, que pode ser utilizado através de todos os meios de combate ao fogo, mas que "tem as vantagens de ser mais seguro para os bombeiros, uma vez que deixa de ser necessário o combate homem/fogo, e para além disso é inócuo para pessoas e vegetação e animais capaz de delimitar o fogo e extingui-lo rapidamente", explicou Eduardo Carmo, responsável pela área internacional da Fire Limit, empresa que produz e comercializa o produto.

Eduardo Carmo refere que a empresa está em conversações com as autoridades portuguesas desde 2011, "mas a ANPC solicitou uma nova demosntração do produto, para que todos os comandantes de bombeiros pudessem estar presentes, compreender a logística da utilização do produto e avaliar a sua aquisição de acordo com as necessidades".

O responsável pela empresa acredita que Portugal vai adquirir o produto, e sem avançar valores concretros, diz que "não se trata de um produto caro tendo em conta o custo/benefício e a segurança". Naturalmente, frisa, "se se comparar com o preço da água é caro, mas são meios incomparáveis".

Para Portugal, Eduardo Carmo, não sabe qual a quantidade que poderá ser adquirida, "mas poderá andar entre os 500 mil euros e os 2,5 milhões de euros. As autoridades competentes é que vão avaliar as necessidades, de acordo com o número de incêndios florestais e as previsões para este ano".

Recorde-se que só no ano passado a área ardida em Portugal foi a maior dos últimos anos e apenas no mês de agosto os fogos florestais provocaram a morte de nove bombeiros. 

O produto já é comercializado no Brasil, Indonésia e em Espanha. "A Galiza já o utiliza desde 2011.

O produto químico é produzido pela Fire Limit, uma empresa que nasceu em 2007 no Brasil, com o objetivo de desenvolver produtos químicos para combate a incêndios. "Nas diversas investigações em curso, chegamos a um que era direcionado para os incêndios florestais, e é esse que temos vindo a comercializar", disse o responsável.

Em 2010 a empresa transferiu-se para Vigo, Espanha, e já está a produzir o produto, que neste momento está em fase de registo de patente.

O produto teve sua eficácia testada e provada em laboratório e em situações reais de fogo, em 100% das situações teve seu efeito bloqueador e extintor comprovado.