06 abril 2014

350 enfermeiros em falta no Algarve


Sindicato dos Enfermeiros denunciou a falta de profissionais de saúde, de medicação e de vários materiais essenciais nas várias unidades de saúde.

Faltam mais de 350 enfermeiros nas unidades de saúde do Algarve. A denúncia grave foi feita ontem pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP). O Centro Hospitalar do Algarve (CHA) devia ter mais 238 enfermeiros para garantir a qualidade dos serviços hospitalares. Já nas unidades de saúde primárias faltam mais de uma centena. Segundo um levantamento apresentado pelo SEP, a falta de enfermeiros traduz-se numa "diminuição da qualidade e segurança dos serviços prestados". Para além das faltas de pessoal, os profissionais de saúde alertam que continuam a ser registadas no CHA carências graves de materiais, como agulhas, seringas ou desinfetantes. Para além disso, há falta de medicação, como antibióticos, analgésicos ou medicação específica para doentes oncológicos, denunciou Nuno Manjua, dirigente do SEP . O aumento do risco de transmissão de infeções hospitalares devido à falta recorrente de desinfetantes é outro fator de preocupação para os enfermeiros. "O maior número de doentes, bem como o menor número de enfermeiros e a falta de desinfetantes podem levar ao aumento da transmissão de infeções hospitalares", alertou Nuno Manjua. O mesmo dirigente recordou que, em 2011, ocorreram em Portugal 11 357 mortes associadas a infeções hospitalares, que representam 24 por cento dos óbitos registados em hospitais. O CM tentou contactar a Administração Regional de Saúde, que gere o setor na região do Algarve, mas sem sucesso.

Fonte: CM