25 março 2014

Vagos: Incendiário vai aguardar sentença em liberdade

Um homem de 46 anos confessou, hoje de manhã, no tribunal de Vagos, ter incendiado a casa com o propósito de a destruir por motivos fúteis, num quadro de alcoolismo crónico.

Os factos remontam a 14 de Setembro de 2012, na freguesia de Sosa. 

"Tomei 180 cumprimentos para me suicidar e peguei fogo à casa com um isqueiro pensando que ia morrer. Hoje estou arrependido", contou o arguido que viu o coletivo de juizes alterar a medida de coação de prisão preventiva, saindo em liberdade com a obrigação de apresentações semanais na GNR, aos sábados.

O jardineiro assumiu perante o tribunal que discutiu com a esposa, culpando-a por uma avaria da mota. "Não era eu a falar, era o álcool", relatou.

Graças à pronta intervenção dos bombeiros de Vagos, as chamas ficaram confinadas a um quarto e à sala, onde destruiram um sofá. O Ministério Público (MP), baseado na investigação da PJ, coloca a hipótese do arguido ter regado as divisões com álcool etílico, o que o mesmo negou.

"Dizia que se a casa não era para ele também não era para ela", contou uma vizinha com que o presumível incendiário se cruzou após os factos criminosos.

A esposa do arguido disse ao tribunal que as ofensas do marido eram frequentes quando estava alcoolizado. Espera que tempo de cadeia "sirva de exemplo" , estando aberta a retomar a vida em conjunto.

O MP pediu a condenação do homem pelo crime de fogo posto, enquanto a defesa alegou como atenuante o estado de embriaguez.

Fonte: Notícias de Aveiro