27 março 2014

Projeto europeu contra incêndios em cidades Património Mundial reúne-se em Angra do Heroísmo

Parceiros do projeto europeu Heriprot, de prevenção de incêndios em cidades património mundial, reúnem-se em Angra do Heroísmo de 31 de março a 2 de abril, para a conclusão de um manual de boas práticas.

O Heriprot, enquadrado no programa europeu Interreg IVC, financiado pelo Fundo de Desenvolvimento Regional Europeu, trará à cidade angrense as oito cidades europeias parceiras do projeto e detentoras da classificação de património mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura): La Laguna e Cuenca (Espanha), Sighisoara (Roménia), Riga (Letónia), Varsóvia (Polónia), Vilnius (Lituânia), Holloko (Hungria) e Liverpool (Reino Unido).

Angra do Heroísmo, a primeira cidade portuguesa a obter essa classificação em 1983, faz parte, através do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), do projeto de cooperação inter-regional.

Segundo informação transmitida à Lusa por fonte oficial da SRPCBA, o objetivo é "melhorar a prevenção contra o risco de incêndio" e criar um "intercâmbio de boas práticas" para a resolução de problemas comuns a estas cidades.

"Estas cidades incluem um conjunto classificado que detém um património cultural valioso que deve ser salvaguardado e preservado para gerações futuras", lê-se numa nota do SRPCB, que destaca a importância de serem "melhorados" os planos de prevenção contra incêndios e "influenciadas" as políticas de prevenção locais.

O Heriprot, com a duração de três anos (2012/14), prevê a publicação de um manual de boas práticas por cada parceiro, com cinco temas, nomeadamente a avaliação do risco de incêndio e medidas de segurança, o controlo de danos e salvados, o planeamento de emergência, a sensibilização e formação e o planeamento urbano, tendo já sido aprovadas as medidas para os quatro primeiros.

A implementação das boas práticas implicou a escolha de parceiros locais que, no caso de Angra do Heroísmo, incluem a câmara municipal, a corporação de bombeiros da cidade, o Museu de Angra do Heroísmo, a Direção Regional da Cultura, a Diocese de Angra e a biblioteca e arquivo regional de Angra.

O programa da visita dos parceiros do Heriprot à cidade açoriana inclui, por isso, deslocações a estas entidades, a discussão do temas associados e ainda a criação do último conjunto de boas práticas a incluir no manual.

Segundo dados do portal na internet do projeto Heriprot, os incêndios nas zonas classificadas como património mundial "sempre apresentaram desafios especiais para os serviços dos bombeiros em todo o mundo", não só pela "perda de valor histórico", mas pelas "dificuldades de combate" que o seu edificado apresenta.

"A sua estrutura, construção, configuração e carga de incêndio são propícias à propagação rápida e descontrolada do fogo. A falta de separação e compartimentação, o depósito de materiais ao longo dos anos, o uso extensivo de madeira tratada na construção civil, os acessos dificultados e a deteção tardia têm contribuído para os grandes incêndios em património na Europa durante as últimas duas décadas", referem os promotores europeus.


fonte: Açoriano Oriental