06 março 2014

Crise ultrapassada nos Bombeiros de Mértola

As dificuldades ainda existem, mas os Bombeiros Voluntários de Mértola vivem hoje uma situação bem mais tranquila que aquela que enfrentaram num passado recente.

A garantia é dada ao “CA” pelo presidente da associação humanitária, para quem a corporação está actualmente “numa fase de retorno”.
“As nossas dificuldades financeiras não são graves, mas já foram bem muito mais graves. […] Temos uma dívida na ordem dos 70 mil euros, mas também temos receita a receber [por serviços prestados] acima de 50 mil euros. O que faz com que tenhamos passivo, mas não tão grande como o de outras instituições”, sublinha Aníbal Carmo, reeleito para o cargo no início do ano.
De acordo com este responsável, uma das causas para esta situação tem que ver com os atrasos nos pagamentos por parte de entidades a quem os Bombeiros de Mértola prestam serviços, nomeadamente na área da saúde.
“As unidades hospitalares, por vezes, também têm dificuldades de liquidez e nesse contexto não nos pagam atempadamente os serviços que temos a receber. E quando digo atempadamente, refiro-me a um período de 30 dias, que seria o desejável. Por vezes a situação prolonga-se vários meses”, diz Aníbal Carmo.
Tudo isto faz com que no seio da associação humanitária a gestão tenha de ser criteriosa e os gastos devidamente ponderados.
Tudo para evitar maiores sobressaltos e assegurar que os seus 28 assalariados chegam ao final do mês e recebem o devido ordenado.
“Mas graças a Deus não temos salários em atraso”, revela Aníbal Carmo, que destaca o apoio prestado, “dentro das suas possibilidades”, pela Câmara de Mértola à associação.

Fonte: Correio Alentejo