22 março 2014

China investiga possíveis destroços de avião da Malaysian


A China informou neste sábado, 22, que tinha uma nova imagem de satélite do que poderiam ser destroços do avião desaparecido da Malaysian Airlines, enquanto mais aviões e navios seguiam para ajudar numa operação internacional de busca.

A mais recente pista surge enquanto a busca pelo vôo MH370 da Malaysian Airlines entra na sua terceira semana, com ainda nenhum vestígio encontrado e confirmado como sendo do Boeing 777 ou das 239 pessoas a bordo.

O novo avistamento potencial foi anunciado dramaticamente pelo chefe interino de Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, depois de ele ter recebido uma nota com detalhes durante uma coletiva de imprensa em Kuala Lumpur.

"Os chineses foram enviados para a área", disse Hishammuddin a repórteres.

A China disse que o objeto media 22 metros de comprimento por 13 metros de largura e foi visto a cerca de 120 quilômetros entre "sul e oeste" de potenciais destroços relatados pela Austrália em sua costa oeste, nas águas do Oceano Índico.

A imagem foi capturada pelo satélite de alta definição de observação da Terra "Gaofen -1" em 18 de março, dois dias depois da fotografia de satélite australiano ter sido tirada, disse a Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria para Defesa Nacional (SASTIND) da China em seu website.

Não podia ser facilmente determinado, a partir das imagens turvas, se os objetos eram os mesmos, mas a fotografia chinesa poderia representar um conjunto de objetos menores, disse um oficial militar sênior de um dos 26 países envolvidos na busca pelo avião.

A asa de um Boeing 777-200ER é de aproximadamente 27 metros de comprimento e 14 metros de largura em sua base. Sua fuselagem é de 63,7 metros de comprimento por 6,2 metros de largura.

O vôo MH370 desapareceu dos radares civis no início do dia 8 de março, menos de uma hora depois de decolar de Kuala Lumpur em um vôo programado para Pequim.

Os investigadores acreditam que alguém a bordo desligou os sistemas de comunicação do avião, e o acompanhamento por radar militar mostrou que o avião virou a oeste, atravessando a Península Malaia, aparentemente sob o controle de um piloto experiente.

Essas informações levaram os investigadores a se concentrarem na possibilidade de um sequestro ou sabotagem, mas não descartam a possibilidade de problemas técnicos.

Fonte: Agência Reuters