18 março 2014

Cem mil euros para equipar metade dos bombeiros do Alto Tâmega

A Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega vai aplicar cerca de 100 mil euros na aquisição de equipamento de proteção individual para combate a incêndios, para distribuir por metade dos bombeiros das 10 corporações desta região.

O anúncio do concurso público para aquisição deste equipamento foi publicado hoje, em Diário da República (DR).

O presidente da Federação dos Bombeiros de Vila Real, Fernando Queiroga, disse à agência Lusa que este fardamento, que abrange botas, calças, cógula, casaco, capacete ou luvas, é uma das «maiores necessidades» identificadas para os voluntários de Boticas, Chaves, Montalegre, Ribeira de Pena, Valpaços e Vila Pouca de Aguiar.

O responsável explicou que, através deste concurso público lançado pela CIM do Alto Tâmega, vão ser equipados metade dos bombeiros de cada uma das 10 corporações que se espalham por estes seis concelhos.

O valor base do concurso público é de 104 mil euros.

Fernando Queiroga espera que o novo fardamento esteja disponível para os bombeiros local antes do início da época de incêndios 2014, que arranca em meados de maio.

Trata-se de uma iniciativa que está a decorrer em todo o país, mas cujo processo se encontra um pouco mais atrasado no Alto Tâmega, porque, após a separação dos municípios que integravam a CIM de Trás-os-Montes, foi necessário proceder a um novo concurso público.

A CIM de Trás-os-Montes deu origem às CIM do Alto Trás-os-Montes e Alto Tâmega.

O responsável salientou que este equipamento cumpre as exigências impostas para o fardamento dos bombeiros.

«Em tempos houve uma entrega do então governo civil de material, mas que era fraco e não tinha condições de segurança», referiu.

E, segundo acrescentou, algumas das «situações verificadas no verão passado não teriam sido, pelo menos tão graves, se os bombeiros já dispusessem deste equipamento».

Fernando Queiroga disse ainda que, o encontro que vai decorrer no sábado, em Santarém, com o ministro da Administração Interna, vai ser aproveitado para reivindicar ajuda para a aquisição dos restantes 50% de material necessário para abranger a totalidade dos voluntários.

«Temos já a garantia que até vai aumentar a verba para equipamentos dos nossos bombeiros», salientou.

O responsável referiu ainda que «outra grande carência» das corporações locais é a nível das viaturas de combate a incêndios, já que muitas das existentes possuem mais de 20 anos e já não dão resposta às necessidades.

Por isso mesmo, os bombeiros vão também reivindicar ao ministro Miguel Macedo ajuda para a aquisição de novos carros.

«A ver se é possível arranjar alguma gaveta nos fundos comunitários para equipar os nossos corpos de bombeiros», sublinhou.


Diário Digital com Lusa