14 março 2014

Bombeiros de Entre-os-Rios querem transportar doentes do Torrão

Seria mais um apoio a uma corporação que luta pela sustentabilidade financeira


Quando há um acidente ou um incêndio, é a corporação dos Bombeiros Voluntários de Entre-os-Rios que, por estar mais próxima, acorre a prestar auxílio à população da localidade de Torrão, no Marco de Canaveses. Mas quando se trata do transporte de doentes não urgentes o caso muda de figura.

Desde que foi implementado o Sistema de Gestão de Transportes de Doentes da Administração Regional de Saúde (ARS) que a corporação deixou de fazer o transporte desses doentes, perdendo acesso a uma receita importante para manter a sustentabilidade financeira da associação humanitária.

A presidente da direcção dos Bombeiros de Entre-os-Rios, Filomena Pereira, diz já ter diligenciado junto da ARS e da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) para que esta situação seja revista. Os argumentos usados prendem-se com a proximidade da corporação à localidade, o facto de cerca de metade dos soldados da paz que integram os bombeiros serem do Torrão e a economia que isso vai representar para a ARS, já que a corporação do Marco de Canaveses tem que percorrer uma maior distância para prestar esse serviço. "Face aos cortes que temos sofrido o transporte dos doentes do Torrão é uma 'migalhinha' importante", assume a dirigente.

O tema foi levantado na última Assembleia Municipal. Filomena Pereira, enquanto eleita do PS, falou da questão pedindo a intervenção do município. "As corporações de bombeiros viram muitas ajudas cortadas e atravessam momentos cada vez mais difíceis. Entre-os-Rios não foge à regra", frisou a socialista. Sendo a corporação com menor área de intervenção no concelho, ainda perdeu o transporte de doentes não urgentes do Torrão. "Quando há incêndios esta é a primeira corporação a ser chamada. Já no caso do transporte de doentes não urgentes a responsabilidade é atribuída à corporação do Marco de Canaveses", explicou Filomena Pereira. "Aquilo é mesmo do outro lado da ponte", acrescentou.

Alertando que se trata da sustentabilidade financeira da associação humanitária, a socialista pediu à Assembleia Municipal que vá junto da ARS pedir para que se altere a situação. "Vamos desenvolver diligências para que transporte seja feito pelos bombeiros de Entre-os-Rios", garantiu o presidente da Câmara Municipal, Antonino de Sousa.

Segundo a comandante da corporação de Entre-os-Rios, Isaura Rocha, o transporte dos doentes do Torrão deixou de ser feito em 2011. Antes havia uma média de 35 credenciais mensais daquela localidade (muitas válidas por meses e para transporte diário) que se traduziam em dezenas de transportes. 



fonte: Verdadeiro Olhar