11 fevereiro 2014

Povoações isoladas, lojas inundadas e estradas cortadas devido ao mau tempo

jnA povoação de Reguengo do Alviela, Santarém, isolada devido à subida da água na bacia do Tejo, recebeu pão fresco mais tarde, porque, já sem acesso por camião, o padeiro teve de aguardar para passar de barco.

José Viegas, comandante dos Bombeiros Voluntários de Pernes, disse à agência Lusa que ainda foi possível enviar uma viatura pesada logo pela manhã, que transportou a única aluna da povoação até à escola na Golegã e uma pessoa que foi fazer um tratamento médico, mas a subida das águas já só permite a passagem por barco.

"Já temos dois barcos no local. Para já, vamos transportar o padeiro e técnicos da EDP que vão proceder a algumas reparações", disse José Viegas à Lusa, adiantando que por volta do meio-dia será necessário fazer chegar à aldeia as funcionárias do centro de dia que levam a refeição às pessoas que recebem apoio domiciliário.

Os dois barcos e respetivas equipas vão permanecer no local ao longo de todo o dia, dependendo a decisão da manutenção ou não de uma equipa durante a noite do levantamento que vai ser feito sobre a existência de alguma situação que o justifique.

"Vamos fazer um levantamento das pessoas que estão doentes e acamadas. Vamos ver se há casos sensíveis que justifiquem ficar lá durante a noite", afirmou.

O Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo está em alerta Amarelo desde a madrugada de segunda-feira.

A Norte, no distrito de Vila Real, o rio Douro continua acima do cais da Régua e inundou dois estabelecimentos comerciais, enquanto os transportes escolares circularam com normalidade, depois da queda de neve na segunda-feira. Manuel Saraiva, da proteção civil municipal de Peso da Régua, disse que o caudal do rio galgou o cais fluvial já na quinta-feira, subindo entretanto cerca de quatro

O rio inundou os dois estabelecimentos comerciais ali localizados, uma loja de artesanato e um bar, onde chegou ao telhado. Este foi mesmo, segundo o mesmo responsável o "ponto mais alto que atingiu o Douro" neste inverno.

No entanto, os equipamentos e bens destes dois estabelecimentos comerciais já foram retirados em dezembro, na primeira vez que o caudal do Douro subiu.

O mau tempo obrigou ainda ao corte de várias estradas nos municípios de Mira, Figueira da Foz e Montemor-o-Velho, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra. A mesma fonte adiantou que no concelho de Mira está encerrada à circulação a estrada da Barra e do Canal, que liga à Praia de Mira.

Na Figueira da Foz, está cortada a ponte de Maiorca e as estradas de Ereira e Borda do Campo.

Segundo o CDOS, no concelho de Montemor-o-Velho encontram-se fechadas ao trânsito as estradas municipais de Tentúgal e a ligação entre Pereira e Formoselha.

Em Viseu também duas estradas estão cortadas ao trânsito devido à queda de neve, que condiciona também a circulação em outras duas vias, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

A mesma fonte referiu que se mantêm cortadas as estradas municipais 553, entre Resende e Bigorne (Lamego), e a 1228, entre Coelheira e Candal (S. Pedro do Sul). Devido à neve, está também condicionada a circulação na municipal 553-1, na zona de Resende, e na estrada que liga Covelo de Valadares (S. Pedro do Sul) a Sejães (Oliveira de Frades).



fonte: JN