10 fevereiro 2014

Mau tempo causou muitas quedas de árvores e derrocadas no Baixo Minho

"Essencialmente muitas quedas de árvores e sem danos humanos", resumiu esta madrugada de segunda feira o CDOS de Braga. O efeitos da tempestade "Stephanie", que entre a meia noite e as três desta madrugada desta segunda feira atingiu com força o distrito de Braga, levaram à saída dos bombeiros dos quartéis para repor a normalidade em muitas vias municipais, algumas estradas nacionais e as A28 e A11.


No entanto, em Braga e Esposende, registaram-se algumas derrocadas de telhados, chaminés e muros. O caso mais grave ocorreu na freguesia de Lomar, em Braga no lugar "Pinheiro do Binho" com uma derrocada atingir vários carros. Telhados e chapas publicitárias voaram na zona de Lamaçães e o Rio Este manteve inundada a Rua Maria Amélia Leite Bastos, em Ferreiros. Municipais e Bombeiros Voluntários de Braga foram chamados a cortes de árvores e limpezas de via.

No concelho de Esposende, para além das inúmeros cortes de árvores realizados pelos Bombeiros de Fão (BVF) e Esposende (BVE), a GNR cortou a estrada junto à costa que liga o Ofir, em Fão, à Vila de Apúlia. A rajadas de vento, que ultrapassam 115 Km/hora, chegaram fazer a temer o pior junto às Torres de Ofir e casas situada em Cedovém e Pedrinhas.


No entanto a situação não provocou danos nestes locais e acabou por ser a dependência bancária de Fão do Millenium BCP onde se registou a situação mais grave. O vento destruiu por completo a fachada, atirando metros de reclames do banco para o passeio.

Na Vila de Apúlia os BVF tiveram mesmo que desatolar carros que foram cercados por areia vinda da praia com a força do vento. Já na cidade de Esposende, os BVE tiveram que segurar uns dos passadiços da marina situada na marginal de Esposende e salvar dois barcos que corriam o risco de desaparecer nas "vagas" do rio Cávado após se terem soltado. Vários muros de casas no centro da cidade derrocaram para a via e chapas voaram de telhados.

Em Vila Verde quedas de árvore em Valdreu, assim como em Carreiras de São Miguel, cortaram via em provocaram danos em poste de iluminação pública. Em Barcelos, na A11, chapas de edifícios foram parar ao centro da via, assim como na A28, onde árvores levaram à intervenção da concessionária e da BT da GNR.

Amares, Terras de Bouro e Vieira do Minho também registaram ocorrências, maioria relacionadas com desobstrução de estradas municipais e algumas nacionais.

Fonte: JN