27 fevereiro 2014

Investigador critica falta de prevenção de fogos


Um investigador da Universidade de Vila Real criticou hoje a falta de prevenção dos fogos, denunciando a atribuição de grande parte dos recursos ao combate como é exemplo a aquisição de dois aviões anunciada na quarta-feira pelo Governo.

"O principal problema dos incêndios é a incapacidade dos decisores políticos de entender os problemas estruturais, ou pelo menos de os encarar, de concretizar medidas que vão de encontro aos problemas e não aos sintomas", afirmou hoje Paulo Fernandes, especialista em incêndios florestais.

O investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, salientou que a gestão do setor "tem sido muito desequilibrada", com a atribuição de grande parte dos recursos ao combate e não à prevenção.

Exemplo disso será, segundo frisou, a aquisição de dois aviões Canadair, destinados à luta contra os fogos, anunciada na quarta-feira pelo ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

"Poderá ser um equipamento útil ao combate, mas a grande questão do país em termos de incêndios florestais é a falta de prevenção. Os 37 milhões de dólares, ou 27 milhões de euros, que irão ser investidos em cada Canadair representam cerca de quatro vezes o orçamento nacional destinado à prevenção," sustentou Paulo Fernandes.

Referiu ainda que, com a compra destes meios, o Estado passa a ter de suportar os gastos de manutenção, "que serão avultados", ao passo que, com o aluguer dos aviões, não tinha essa despesa.

No grupo de trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais, constituído no âmbito da Assembleia da República, Miguel Macedo adiantou que está a decorrer um processo para aquisição de dois aviões, com recurso a fundos comunitários.

Atualmente, os meios aéreos próprios do Estado são compostos por seis helicópteros pesados Kamov e três helicópteros de transporte e utilitário, sendo a primeira vez que vai adquirir para a sua frota aviões Canadair.

O ministro disse também que poderá "demorar mais de um ano" para que Portugal tenha disponíveis os dois aviões.

A juntar à falta de prevenção, o investigador do Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CITAB) sublinhou ainda as "dificuldades estruturais da floresta".

"Há problemas relacionados com o território: a maioria das propriedades são minifúndios, o que conduz a pouca expectativa de rendimento (devido aos incêndios) e cria um ciclo vicioso. As pessoas não investem porque consideram que o investimento não compensa", salientou.

Para o especialista, outro problema prende-se com o uso das chamas pela população rural, uma prática que ocorre durante todo o ano, sem precauções, "e que conduz, variadas vezes, a incêndios florestais".

O investigador defende também que o sistema de defesa da floresta contra incêndios em vigor deverá, "para funcionar melhor", apostar numa "maior integração entre os três pilares, cuja responsabilidade está repartida por três instituições: vigilância e deteção (GNR), prevenção (Instituto da Conservação da Natureza e Florestas) e combate (Autoridade Nacional de Proteção Civil).

Os alertas do especialista surgem na altura em que se assinalam seis meses sobre o lançamento da petição sobre a gestão do fogo, que defende a criação de um corpo profissional de bombeiros florestais e a adoção de medidas preventivas de incêndios.

Até ao momento, subscreveram a petição cerca de 830 pessoas, sendo necessárias quatro mil assinaturas para que o tema possa ser discutido na Assembleia da República.

Precisamente para debater a problemática dos incêndios, a UTAD organiza entre hoje e sexta-feira as jornadas florestais subordinadas ao tema "A floresta e a atualidade: a problemática dos fogos florestais", que reúne especialistas, alunos, bombeiros e associações de proteção da natureza.



fonte: Noticias ao Minuto