27 fevereiro 2014

DRONES: Primeiros Testes Realizados

Cortes do Meio pode vir a acolher uma escola de formação de pilotos de drones. São equipamentos semelhantes a pequenos aviões, guiados por telecomandos, e que podem contribuir para a prevenção e detecção de incêndios florestais.

O projecto está a ser desenvolvido pelo piloto Rudy Mendes, que tem raízes naquela aldeia do concelho da Covilhã, e que é proprietário da empresa “Skycine Productions” que desenvolve a sua actividades em países como a França, Bélgica e Luxemburgo. O investimento num equipamento destes pode chegar aos 30 mil euros, mas a grande dificuldade na concretização da ideia reside no facto de legislação Portuguesa não contemplar a utilização deste tipo de equipamentos. 

Ainda assim Rudy Mendes acredita que a criação desta escola pode ser uma mais valia “são equipamentos que estão munidos de GPS, podem ter incorporadas câmaras térmicas e que permitem fazer voos durante a noite e também filmar as partes que estão mais secas e dessa forma retransmitir as informações para os bombeiros para melhorar a sua actuação e contribuir de forma mais activa na prevenção”. 

O piloto acrescenta que a criação desta escola de pilotos de drones pode criar na região cerca de uma dezena de novos postos de trabalho de acordo com aquilo que se tem verificado noutros países “a nossa escola na França e na Bélgica já permitiu criar cerca de 30 empregos e não podemos esquecer-nos que há outras utilidades que estes drones podem ter, como por exemplo monitorizar pontes e até no cinema; eu acredito que se esta escola for aqui criada podemos criar dez empregos no primeiro ano e isso pode ainda desenvolver-se”. 

Os primeiros testes a este equipamento foram efectuados esta manhã no centro de meios aéreos de Cortes do Meio e no próximo mês de Maio vão ser repetidos, utilizando outros equipamentos complementares de apoio aos drones. David Bizarro, secretário da junta de freguesia, sublinha que este pode ser um instrumento muito importante para a preservação do património florestal de Cortes do Meio “nós estamos a procurar todas as ferramentas para preservar este património que é de todos e se conseguirmos criar aqui esta mais valia ela será benéfica não só para Cortes do Meio, que tem uma das maiores manchas florestais do concelho da Covilhã, mas também para as freguesias vizinhas e com este tipo de equipamento vamos poder abranger uma área maior”. 

Os testes desta manhã foram acompanhados por vários elementos da autoridade nacional de protecção civil e também pelo comandante dos bombeiros voluntários da Covilhã e Fernando Lucas acredita que eles podem ser uma mais valia para o cadastro e vigilância das florestas “é um trabalho que ainda não está feito e que nos pode ajudar a identificar os nossos pontos mais críticos e acho que é uma mais valia para isso; no que diz respeito ao combate a incêndios também pode ser um apoio uma vez que se aguentar temperaturas altas pode ajudar a identificar para que ponto está a rumar o fogo e dessa forma dar uma panorâmica mais abrangente aos bombeiros”. 

Também a câmara municipal da Covilhã encara com bons olhos a concretização desta ideia. Hélio Fazendeiro, adjunto do chefe do executivo, garante que o município pretende apoiar o empresário para que esta escola possa ficar a funcionar naquele concelho “é uma tecnologia nova que está agora a ser desenvolvida e que pode ser muito útil na prevenção de fogos florestais; o município da Covilhã tem todo o interesse em apoiar este tipo de projectos e viemos aqui manifestar isso mesmo junto do promotor”. Um projecto em que a empresa também pretende envolver o departamento de ciências aeroespaciais da universidade da Beira Interior assim como outras juntas de freguesia da região.



fonte: RCB