04 fevereiro 2014

Bombeiros ajudaram a distribuir refeições na Guarda, onde a neve já dá tréguas

neveCerca de 80 idosos dependeram da ajuda dos bombeiros, que usaram veículos todo-o-terreno para chegar às suas casas.

Os bombeiros da Guarda ajudaram esta segunda-feira instituições sociais do concelho a entregar refeições ao domicílio a cerca de 80 idosos, devido a problemas de circulação causados pela neve, disse à agência Lusa fonte da corporação.

Segundo Paulo Sequeira, comandante dos Bombeiros Voluntários da Guarda, a corporação foi hoje solicitada para levar "entre 70 e 80 refeições a idosos" residentes na cidade da Guarda e nas localidades de Vale de Estrela e de Aldeia do Bispo, que são apoiados por centros de dia.

"Normalmente, os centros de dia têm veículos normais e precisam do apoio de veículos todo-o-terreno para que as refeições cheguem junto dos idosos que por elas aguardam", referiu o responsável. "As instituições contactam-nos sempre para fazer esse tipo de trabalho. Já estamos preparados para conseguirmos responder da melhor forma", disse.

Segundo Paulo Sequeira, durante o dia de hoje, sobretudo no período da manhã, os voluntários também foram solicitados a transportar profissionais para as unidades de saúde da cidade da Guarda, a auxiliar os condutores dos veículos que ficaram bloqueados pela neve e a apoiar o Serviço Municipal de Protecção Civil na limpeza de acessos com a utilização do novo veículo limpa-neves.

"Nestes dias são sempre registados muitos pedidos, porque as pessoas não se podem movimentar com a intempérie", observou. Os bombeiros da Guarda envolveram cerca de 25 elementos e nove veículos, que continuam de prevenção face à possibilidade de continuar a nevar durante a tarde e noite de hoje, indicou o comandante.

O responsável também fez para a Lusa um balanço positivo da intervenção da nova viatura polivalente, com a função de limpa-neves, que reforçou os meios de actuação da protecção civil. "É uma ferramenta indispensável, é um reforço muitíssimo bom em termos de limpeza de neve para manter as vias transitáveis. A prova é que este meio, em articulação com os restantes do Serviço Municipal de Protecção Civil, conseguiram, em tempo útil, resolver as questões de acessibilidade e hoje temos a cidade praticamente toda transitável", observou.

Segundo Paulo Sequeira, o veículo "não deve ser encarado como algo que chega e que resolve todos os problemas", na Guarda, em dias de neve e gelo. Este responsável contou que no dia de hoje "houve o congestionamento completo" de uma das faixas da Via de Cintura Externa da Guarda, "que impossibilitou que o veículo conseguisse transitar nela para efectuar a limpeza" devido à presença de muitas viaturas que bloquearam a acção daquele meio.

A nova viatura, que permite a limpeza de neve e o espalhamento de sal, é operada por elementos da corporação de bombeiros da Guarda e actua em colaboração com a Protecção Civil Municipal, explicou.

Os acessos rodoviários à cidade da Guarda já foram entretanto desimpedidos. "As vias na cidade estão praticamente todas transitáveis, com excepção das ruas de maior inclinação", disse, pelas 12h40, o vereador Sérgio Costa, responsável pelo serviço municipal de protecção civil. Segundo o autarca, as estradas de acesso à cidade também estão todas reabertas, havendo apenas registo de "um pequeno constrangimento na Estrada Nacional n.º 16, na zona de Almeidinha", que estava a ser "resolvido com auxílio de meios da concessionária de uma auto-estrada".

Com as condições de segurança garantidas, o vereador referiu que a população pode "desfrutar" da beleza da paisagem coberta de branco. No entanto, Sérgio Costa assinalou que os condutores devem "circular sempre em segurança" e devem estar munidos de correntes de neve para as rodas dos veículos. "As correntes já não são necessárias na maior parte das ruas, mas a qualquer momento podem ser precisas", alertou.

Devido à neve, durante a manhã a Protecção Civil Municipal da Guarda registou a queda de uma linha de alta tensão, na zona de Alfarazes, que provocou o corte temporário da Via de Cintura Externa da Guarda. Para o período da tarde está previsto um aumento da precipitação, mas a Protecção Civil Municipal já está a proceder ao reforço de meios para garantir as acessibilidades desimpedidas em caso de queda de mais neve, indicou o autarca.

Devido ao mau tempo, a Câmara Municipal da Guarda cancelou a apresentação do livro Gente de Nação Além e Aquém do Côa (Judeus Sefarditas), da autoria de Adriano Vasco Rodrigues e de Maria da Assunção Carqueja, que estava prevista para as 17h de hoje, para o edifício dos paços do concelho.

Fonte da autarquia disse à agência Lusa que também foi cancelada a visita da embaixadora de Israel em Portugal, Tzipora Rimon, que se deslocava à Guarda para assistir ao lançamento do livro e para visitar a Judiaria. "A visita foi cancelada por razões de segurança e porque as previsões meteorológicas apontam para um agravamento do estado do tempo e para a queda de mais neve, para a tarde e noite de hoje", referiu a fonte.

Circulação na A24 normalizada

A queda de neve continuava ao início da tarde de hoje a obrigar ao corte de três estradas no distrito de Viseu, mas na A24 a circulação já foi normalizada, disse à agência Lusa fonte da GNR. "Na (auto-estrada) A24 a circulação, apesar de nunca ter sido cortada, esteve muito condicionada e só circulavam carros atrás do limpa-neves. Mas, neste momento, as duas vias já estão livres", explicou, recomendando, no entanto, precaução aos condutores.

Segundo a mesma fonte, mantinham-se cortadas as Estradas Nacionais n.º 2, na zona de Bigorne (Lamego), e n.º 321, em Faifa (Castro Daire) e em Tendais (Cinfães). A terceira estrada fechada é a municipal n.º 553, entre Felgueiras e Resende.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu, ao início da manhã vários concelhos estavam a ser afectados pela neve, nomeadamente os de Tabuaço, Armamar, Lamego, Castro Daire, Tondela (na serra do Caramulo), Vila Nova de Paiva, Armamar e Penedono. A mesma fonte referiu que a neve não obrigou ao encerramento de escolas, apesar de alguns alunos não terem ido às aulas.

"Em Castro Daire não foram às aulas alunos da freguesia de Gosende. Em Resende, a câmara hoje não assegurou os transportes escolares, mas os pais que puderam, levaram os filhos à escola", explicou a mesma fonte.


fonte: Público