08 janeiro 2014

Soluções a “curto prazo” para Bombeiros Municipais de Braga

55319_230x180As principais preocupações dos bombeiros municipais foram o tema de discussão da reunião realizada, ontem, entre o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e a Associação Nacional de Bombeiros de Portugal (ANBP). “Foi uma reunião extremamente produtiva, onde foram levantadas várias questões que preocupam os bombeiros, nomeadamente no que tem a ver com uma falta de diálogo que existiu, ao longo do tempo, com a Câmara Municipal de Braga e que nós queremos suprir”, declarou Ricardo Rio.

Sérgio Carvalho, da ANBP, esclareceu que “há mais de 15 anos que estamos a tentar implementar um novo horário de trabalho e não tínhamos conseguido. Finalmente surgiu um presidente de câmara com sensibilidade para esta questão”, referiu aquele responsável.

Ricardo Rio defende que “é importante manter uma via de comunicação, no sentido de procurarmos entendimentos sobre questões que potenciem a melhoria no serviço que é prestado pelos bombeiros à comunidade. Uma das coisas que mais estranheza causou foi ouvir os próprios bombeiros dizer que, durante o mandato anterior, não tinham tido qualquer contacto com o vereador responsável pelo pelouro.

A ANBP pretende que a Companhia de Bombeiros Municipais passe de cinco para quatro turnos de trabalho. Para tal, será necessário aumentar o número de efectivos por turno. Esta alteração, segundo Sérgio Carvalho, “vai melhorar consideravelmente a capacidade e a qualidade de socorro e resposta à população”.

O autarca de Braga garante que, todas as questões de natureza profissional, operacional, e relativas a meios em falta serão solucionados a curto prazo. “Poderemos suprir algumas das lacunas que hoje existem, qualificar a Companhia de Bombeiros Municipais e dotá-la das condições para desenvolver um trabalho cada vez melhor em benefício da comunidade”, assegurou.

A ANBP propôs ainda uma renovação do fardamento da corporação, mudança já implementada noutras companhias de bombeiros.

Sérgio Carvalho solicitou ainda a intervenção da Câmara Municipal de Braga junto à Associação Nacional de Municípios Portugueses e de representantes do Governo, no sentido de criar condições para que os bombeiros usufruam de apoios continuados por parte destas instituições à semelhança do que ocorre com outras entidades e forças de segurança.

 

por Correio do Minho