16 janeiro 2014

Pirómano solto vai ser tratado

Tem 26 anos e apresenta um grave distúrbio mental. Não consegue explicar porque o fez, mas no espaço de poucos dias, no último verão, ateou três incêndios na zona de Calvão, em Vagos, no distrito de Aveiro.

As chamas, que destruíram uma extensa área de mato e pinhal, foram ateadas entre 26 de agosto e 3 de setembro de 2013, sempre com recurso a um isqueiro. Na mesma altura, outros fogos fustigavam o País e, além dos elevados danos materiais, roubaram a vida a oito bombeiros e um autarca que ajudava a combater o fogo.

O suspeito - agora preso pelos investigadores da PJ de Aveiro - confessou os factos, mas não conseguiu justificá-los. Ainda ontem à tarde, o incendiário foi levado ao juiz de instrução criminal para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial. Acabou por ser libertado, mas está obrigado a apresentações bissemanais e a sujeitar-se a um tratamento psiquiátrico.

Os fogos foram ateados perto da sua casa e colocaram em perigo as populações. Foram travados a tempo pelos bombeiros. O autor dos crimes, que não apresenta qualquer motivação racional para a prática dos factos em investigação, é desempregado e não tem antecedentes criminais.

Fonte: CM