12 janeiro 2014

Famalicão: Fradelos tem posto avançado de bombeiros

A freguesia de Fradelos, em Famalicão, dispõe, desde ontem, de um posto avançado dos Bombeiros Voluntários de Famalicão (BVF).

O espaço, situado paredes meias com a sede da junta de freguesia, vai ser ocupado por uma ambulância e respectiva tripulação (um motorista e um técnico de saúde), e resultou de uma conjugação de esforços entre a Junta de Freguesia de Fradelos, os BVF e a autarquia famalicense.

“Não estivemos à espera do Estado ou da União Europeia. Havia problemas nesta zona e assumimos a responsabilidade de os ajudar a resolver”, disse o presidente da Câmara Municipal de Famalicão.
Paulo Cunha lembrou que este serviço “não beneficia só Fradelos. Beneficia uma região que está distante da sede de concelho”.

O autarca lembrou ainda que apesar da abertura deste novo posto (juntamente com o posto avançado de Mogege inaugurado em Julho passado), “existem outras zonas do concelho, a Poente, Norte e Sul que necessitam deste serviço de proximidade. É preciso ir mais longe”, disse Paulo Cunha.

O presidente da direcção dos BVF, João Coelho, afirmou que a abertura do novo espaço faz parte do projecto de emergência ‘Mais Perto das Populações’ e que “sabemos o quanto é importante ter aqui a viatura. Até agora demorávamos 20 minutos de Famalicão aqui”.

O dirigente garantiu que os BVF vão formar pessoas para que o serviço possa funcionar, em breve, durante 24 horas por dia. “O nosso comandante está disponível para dar formação ao pessoal necessário”, garantiu o presidente dos BVF.

O comandante da corporação, Francisco Sampaio, garantiu também que “temos equipamento e homens, e por isso, a curto prazo o serviço será alargado em termos de horas”.
Por enquanto, a partir de amanha, o posto avançado de Fradelos dos BVF vai funcionar de segunda a sexta-feira entre as 9 e as 18 horas.

O presidente da Junta de Freguesia de Fradelos, Avelino Reis, salientou que “este é um espaço que nos faz falta e que se enquadra no meio da freguesia”, pelo que veio facilitar o socorro à população.

Fonte: Correio do Minho