17 janeiro 2014

Eleições nos Bombeiros de Ermesinde impugnadas

VLG_bombeiros_ermesindeEstá a decorrer no Tribunal Administrativo de Penafiel a análise do pedido de impugnação do acto eleitoral para os corpos gerentes da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde, ocorrido no passado mês de Dezembro. A impugnação é da autoria da actual direcção dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde. Entretanto, a direcção eleita ainda não tomou posse e agora todos aguardar "serenamente" pela decisão do tribunal.

Artur Carneiro, presidente da direcção, em declarações ao VERDADEIRO OLHAR, explicou que a impugnação deve-se ao entendimento de que existem duas pessoas na lista B, a vencedora, que não deveriam ter sido aceites como foram pelo presidente da Assembleia Geral.

Não deveriam ter sido aceites pelo facto de contra uma dessas pessoas existir um processo disciplinar instaurado pela direcção, e no segundo caso por haver um possível conflito de interesses uma vez que é funcionário de uma entidade bancária, da qual a Associação Humanitária é cliente. Sem querer adiantar muito mais sobre o caso, Artur Carneiro, que não fez parte de nenhuma lista às últimas eleições, diz esperar pela resolução do tribunal, realçando ter "muita honra e orgulho em ter servido esta casa durante 16 anos".

Jorge Videira, eleito presidente da nova direcção dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde, em declarações ao VERDADEIRO OLHAR, diz-se "descansado" e frisa não compreender a razão pela qual os adversários nunca levantaram objecções em relação à sua lista, que esteve, inclusive, afixada durante 11 dias. Incompreensível para Jorge Videira é ainda o facto de não ter havido qualquer interesse em impugnar o acto no próprio dia das eleições, uma vez que o regulamento permite a impugnação na meia-hora imediata após a contagem dos votos.

Os argumentos apresentados para considerar dois dos elementos inelegíveis, um pela existência de um processo disciplinar por alegado pagamento de cotas fora do prazo e outro por existirem conflitos de interesse, são recusados por Jorge Videira. No primeiro caso, explica, o pagamento de cotas era possível até ao dia das eleições e foi pago em Setembro e, acrescenta, o processo disciplinar estava suspenso até à realização de nova Assembleia Geral.

Por outro lado é contestada a existência de uma pessoa na lista que é funcionário de um banco no qual a Associação Humanitária tem uma conta, concluindo pelo possível conflito de interesses. Argumento rejeitado por Jorge Videira que esclarece que o elemento em causa não tem poder de decisão, é funcionário da dependência bancária em Paredes e a conta da Associação Humanitária é da dependência de Ermesinde.

A lista vencedora já entregou as suas alegações relativas ao processo de impugnação e aguarda agora a decisão do Tribunal Administrativo de Penafiel. "Não queremos tomar de assalto os Bombeiros de Ermesinde como diziam", frisou.



por Verdadeiro Olhar