25 janeiro 2014

Bombeiros boicotam transporte de doentes com cancro

O transporte de doentes para o IPO do Porto continuará a ser feito por privados: os bombeiros do Porto, Braga, Bragança, Vila Real e Viana rejeitaram o concurso público. Dizem que o preço é "aviltante".

O concurso público lançado pelo Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto para transporte de doentes não urgentes em ambulância foi boicotado pelas 118 corporações de bombeiros dos cinco distritos do Norte (Porto, Braga, Bragança, Viana e Vila Real).

Os bombeiros discordam dos preços do caderno de encargos do IPO que, dizem, "é aviltante, impraticável e viola o acordado com o Ministério da Saúde", como declarou ao JN José Miranda, presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto.

Corporações não aceitam os termos do caderno de encargos e consideram "aviltante" o preço ao quilómetro pago pelo IPO do Porto.

as 118 corporações de bombeiros do Porto, Braga, Bragança, Vila Real e Viana rejeitaram o concurso público, de acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias. O transporte de doentes do Instituto Português de Oncologia (IPO) continuará a ser feito por privados.

O IPO propõe pagar 40 cêntimos por quilómetro ao vencedor do concurso público para transporte de doentes não-urgentes.

O Ministério da Saúde paga atualmente 51 cêntimos por quilómetro, um valor já muito esmagado, dizem os operacionais.

 

por JN / DN