10 dezembro 2013

Todos os meios de prevenção devido a aviso vermelho

Todos os meios do Governo Regional da Madeira, da Proteção Civil e das câmaras municipais estão de prevenção face às previsões meteorológicas que colocaram a Madeira em situação de aviso vermelho por causa de vento e chuva forte.

"Queremos que as pessoas estejam cientes de que estamos na iminência de ter a passagem de uma frente que traz algumas perturbações climatéricas, nomeadamente em termos de agitação marítima, que já se está a verificar, ventos e queda de água com alguma intensidade", disse o secretário regional dos Assuntos Sociais numa conferência de imprensa no edifício do Serviço Regional da Proteção Civil, no Funchal.

O diretor do Observatório Meteorológico do Funchal, Vítor Prior, explicou que "a situação é de vermelho para a precipitação e para o vento, laranja para o estado do mar e com todos os parâmetros meteorológicos no Porto Santo".

"Neste momento aproxima-se a passagem, durante as próximas horas, até amanhã [quarta-feira] ao fim da manhã, de uma superfície frontal fria, bastante ativa", explicou o meteorologista, ao final da manhã

O responsável adiantou que esta situação dará origem a precipitação forte, em particular nas regiões montanhosas, apontando que será em cerca de "20% a 30% inferior aos valores registados a 20 de fevereiro de 2010".

Vítor Prior realçou que "o período de maior precipitação está previsto para depois das 21:00 [hoje] e até às 06:00 [de quarta-feira] e, de acordo com atualizações feitas, o período mais complexo será entre a meia-noite e as 03:00 da manhã".

O vento forte afetará as regiões costeiras e montanhosas, estando "previsto valores na ordem dos 120/140 quilómetros por hora de rajada no fim do dia e na madrugada de quarta-feira".

O responsável apontou que nos mares da região a ondulação também será forte, com ondas com "altura significativa de cinco metros", e sublinhou que depois desta situação adversa a Madeira "terá bom tempo".

Segundo Vítor Prior, "esta situação vai influenciar todo o arquipélago da Madeira" e as previsões apontam para valores maiores de precipitação e de vento nas regiões montanhosas.

O presidente do Serviço Regional de Proteção Civil, Luís Néri, declarou que "o dispositivo de resposta está nos seus níveis considerados adequados para aquilo que possa vir a verificar-se em termos de reforço de meios, equipamentos e pessoal", contando com colaboração de outras entidades, "caso seja necessário".

O responsável referiu que as câmaras municipais foram contactadas e "todas têm a noção de quais as suas áreas mais vulneráveis e de maior preocupação e estão atentas".

"A situação que se adivinha é de alguma complexidade. Da nossa parte, de todos os agentes, todos estão com seus sistemas de prevenção, porque sabem quais as previsões transmitidas e interessa que população colabore, como tem feito", afirmou.

O responsável recomendou que a população acompanhe as informações dadas e colocadas no sítio do Serviço de Proteção Civil e outros, sustentando que "com o vento e chuva terá que haver preocupação em evitar a circulação ao máximo".

A Proteção Civil apelou a especiais cuidados nas áreas desprotegidas, junto ao mar, em percursos em zonas elevadas e florestais, além das zonas junto aos cursos de água.

Fonte: RTP