12 dezembro 2013

GNR investiga origem de incêndios florestais no distrito da Guarda

A GNR anunciou que está a investigar a origem de cinco incêndios florestais hoje registados nos concelhos de Seia, Gouveia e Fornos de Algodres, no distrito da Guarda.

Segundo o tenente-coronel Cunha Rasteiro, oficial de relações públicas do Comando Territorial da GNR da Guarda, estão no terreno equipas de proteção florestal do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) do Destacamento Territorial de Gouveia que investigam "as causas dos incêndios" ocorridos nas últimas horas.

"Ao que tudo indica, o incêndio de Baiol, no concelho de Seia, [iniciado pelas 20:33 de terça-feira] foi originado por causas naturais. Terá sido o vento forte que derrubou linhas aéreas de média tensão, que terão depois provocado o incêndio", disse o responsável à agência Lusa.

As causas do outro fogo que eclodiu na zona de Loriga, também em Seia, pelas 22:50 de terça-feira, estão ainda a ser investigadas pela GNR.

"Estamos a investigar se foi originado por uma queimada ou por algum pastor que ateou as chamas para renovação de pastagens", admitiu Cunha Rasteiro.

A GNR está também a indagar a origem de dois incêndios registados hoje de manhã no concelho de Fornos de Algodres e de outro no concelho de Gouveia, já extintos, admitindo a probabilidade de terem sido causados por "queimadas".

O oficial da GNR lembra que as queimadas "só podem ser efetuadas mediante licença das Câmaras Municipais e, obrigatoriamente, têm que estar presentes os bombeiros, os sapadores florestais ou um técnico especializado no controlo do fogo".

Os incêndios que atingiram maiores proporções foram os dois registados no concelho de Seia, em Baiol e Loriga, em zonas de difícil acesso aos meios de combate.

Segundo a página de internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), pelas 14:00, o fogo de Baiol, com uma frente ativa, estava a ser combatido por 87 operacionais, apoiados por 22 veículos.

O fogo de Loriga, também com uma frente em evolução, era combatido por 19 elementos, cinco veículos e um helicóptero bombardeiro.

Fonte: RTP