02 novembro 2013

Sapadores de Braga sem quartel por atrasos processuais

O Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, revelou esta manhã, Quinta-feira, dia 31 de Outubro de 2013, após uma visita efectuada pelo actual Executivo Municipal ao Quartel da Companhia de Bombeiros Municipais de Braga, que o anterior Executivo perdeu a oportunidade de obter um financiamento para a construção de um novo Quartel, tão aguardado e merecido, devido ao não cumprimento de requisitos básicos inerentes à apresentação da candidatura deste projecto ao POVT (Programa Operacional Temático Valorização do Território), em Julho do presente ano.

Há cerca de três meses, a Câmara Municipal, liderada então por Mesquita Machado, tornou pública uma candidatura referente à construção de um novo Quartel destinado à Companhia de Bombeiros Municipais de Braga, cujo montante global ascendia a mais de um milhão e meio de euros. De acordo com comunicação formal, remetida ao Município de Braga a 24 de Setembro de 2013, pela Estrutura de Missão Gestão de Fundos Comunitários, verificou-se que a candidatura “não cumpre os requisitos quanto ao grau de maturidade exigido” pelo Programa Operacional Temático Valorização de Território, inserido no quadro de fundos comunitários do QREN (Quadro de Referencia Estratégico Nacional).

Segundo resposta constante na missiva, não foi tão-pouco “considerada admissível a candidatura, por não estar evidenciado o ato de adjudicação do procedimento concursal para as acções mais relevantes da candidatura”, e que “a não demonstração do grau de maturidade mínimo definido é condição suficiente para a não adm issibilidade da candidatura”. Isto é, embora apresentados projecto e restantes estudos necessários à obra, não tinha havido, entretanto, processo concursal para a adjudicação da mesma.

O Presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio, lamenta que a iniciativa de construir um novo quartel tenha “voltado à estaca zero”, no que concerne à obtenção de meios de financiamento, e assegura que “é, desde já, uma prioridade para a Autarquia, colocar em marcha este processo”.

Ricardo Rio destacou, ainda, que levará a cabo um “levantamento exaustivo de necessidade de meios” e que a Câmara Municipal de Braga irá envidar todos os esforços para “suprir, paulatinamente, todas as lacunas mais urgentes que se façam sentir nesta corporação”.

No decorrer da visita aos Bombeiros Sapadores, o Presidente da Câmara Municipal, após cumprimentar os oitenta e seis elementos da formatura, ouviu as necessidades do corpo de bombeiros tendo garantido que tudo fará para “proporcionar um exercício digno de funções, de modo a dar a resposta que Braga e os Bracarenses necessitam face às situações de emergência”.

A Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga está actualmente instalada num edifício com mais de cinquenta anos de existência, que manifestamente não reúne há muito as condições necessárias para o melhor desempenho da sua missão. Presentemente, servem a Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga oitenta e seis bombeiros, apoiados por vinte e três viaturas.


 por Correio do Minho