15 novembro 2013

Braga: crianças evacuadas de uma creche

Cento e noventa e quatro crianças, entre as quais 75 bebés, e um total de 28 adultos, um ferido grave e outro ligeiro foram evacuados do Centro Social e Paroquial de S. Lázaro, Braga, em apenas cinco minutos, ontem de manhã, na sequência de um incêndio despoletado na cozinha da instituição.

Tudo não passou, no entanto, de um simulacro promovido pelo centro social para testar as suas equipas e procedimentos de segurança. No final, o balanço “foi positivo, embora haja ainda algumas lacunas e aspectos que iremos melhorar, apostando em mais formação para os nossos colaboradores”, garantiu Isabel Vilaça, directora técnica de infância, que no Plano de Segurança Interno (PSI) da instituição assumiu as funções de delegada de segurança.

O simulacro ocorreu logo de manhã, com o alerta de incêndio a ser dado às 9.34 minutos, e logo de seguida as equipas integradas no PSI puseram-se em acção, cortando a energia e o gás às 9.35 horas, dando nesse mesmo minuto ordem de evacuação e simultaneamente foi dado o alerta aos meios de Protecção Civil de Braga – Bombeiros Sapadores de Braga e Polícia de segurança Pública – que chegaram em seis minutos ao local da ocorrência.

A PSP cortou o trânsito e manteve a ordem na rua para que os bombeiros pudessem o mais rápido e facilmente aceder ao edifíc io, que ali acorreram prontamente para prestar socorro às vítimas e combater o fogo, depois de as equipas responsáveis pela segurança interna terem já usado os extintores como primeira intervenção.
“Este simulacro insere-se no PSI do Centro Social e Paroquial de S. Lázaro e é uma obrigatoriedade, também para testarmos o nosso nível e segurança e, sobretudo, das nossas equipas”, referiu Isabel Vilaça.

A responsável indicou que, a nível de tempos de evacuação, houve uma melhoria desde a última simulação que levou sete minutos. “Agora conseguimos fazer a evacuação em, apenas, cinco minutos – que penso que é um tempo muito razoável”.
“Precisamos, no entanto, de melhorar ainda a organização das nossas equipas e, por isso mesmo, vamos investir em mais formação interna com o objectivo de os nossos colaboradores ficarem mais habilitados a conseguir fazer o processo ainda de forma mais célere”.

O comissário da PSP, Tiago Pereira, referiu que o simulacro “decorreu dentro do razoável”. Também o bombeiro Rui Rocha, ontem nas funções de chefe de equipa dos Sapadores de Braga, indicou que correu bem, mas apontou para alguns procedimentos a corrigir, mais propriamente na forma de actuação das equipas internas do plano, que a instituição vai agora melhorar.

Fonte: Correio do Minho