31 outubro 2013

Meios de combate a fogos florestais reduzidos sexta-feira com fim da fase "Delta"

Lisboa, 30 out (Lusa) -- A fase "Delta" de combate a incêndios florestais termina na quinta-feira, pelo que os meios operacionais vão ser reduzidos na sexta-feira e apenas reforçados em caso de necessidade, segundo a Diretiva Operacional Nacional (DON).

Mais de cinco mil elementos e mil veículos estiveram operacionais durante a fase "Delta", que decorreu entre 01 e 31 de outubro, tendo ainda contado com 20 meios aéreos até ao dia 15.

Durante este mês outubro, registaram-se mais de 300 ocorrências de fogo, que ocorreram sobretudo na primeira quinzena, tendo queimado uma área de cerca de 250 hectares.

A partir de sexta-feira os agentes no terreno passam a ser os meios disponíveis nos corpos dos bombeiros, além dos elementos do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR e da Força Especial de Bombeiros Canarinhos, podendo ser reforçados em caso de necessidade.

A Diretiva Operacional Nacional estabelece que a "avaliação do perigo e do risco determinará o nível de empenhamento dos meios" durante os meses de inverno.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) tem previsto fazer, na primeira quinzena de novembro, um balanço da época de incêndios florestais, coincidindo a data da avaliação com o fim da fase "Delta".

Os incêndios florestais provocaram este ano nove mortos, oito dos quais bombeiros.

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que a área ardida aumentou este ano 28 por cento em relação a 2012, tendo os incêndios florestais consumido uma área de 140.944 hectares.

Em contrapartida, as ocorrências de fogo diminuíram 10 por cento, tendo-se registado 18.869 ignições, menos 2.135 do que no ano passado, segundo o último relatório provisório de incêndios florestais do ICNF.

O documento, com dados entre 01 de janeiro e 15 de outubro, indica também que as 18.869 ocorrências de fogo resultaram em 140.944 hectares de área ardida, a maior dos últimos oito anos.

Os dados permitem concluir que só no mês de agosto arderam 89.834 hectares de florestas e registaram-se 6.844 ocorrências de fogo.

O maior incêndio do ano ocorreu no concelho de Alfândega da Fé (Bragança) em julho e consumiu uma área de 14.136 hectares, dos quais cerca de 13.706 são espaços florestais.

A Polícia Judiciária e a GNR detiveram mais de 100 pessoas por suspeitas de incêndio florestal.

CMP // GC.

Lusa/fim