17 julho 2013

Ser jovem, ser bombeiro

Recordo-me que em criança quando um pedreiro andava lá por casa e se ouviu por 3 vezes a sirene da torre dos bombeiros, imediatamente, o senhor pediu licença para se ausentar. Nesse dia, fiquei a saber o significado dos sons da sirene, 1 toque – chamar os bombeiros; 2 toques - fogo na vila; 3 – fogo fora da vila; 4 – acidente.

Ser bombeiro simbolizava o homem corajoso que deixava o seu trabalho para acudir e apoiar, sem ser remunerado, uma situação de emergência. Hoje, um jovem com 17 anos pode ter uma carreira como bombeiro. Não é necessária formação militar, basta ter vontade e inscrever-se na Escola Nacional de Bombeiros, local onde são formados, à excepção da Corporação dos Sapadores de Lisboa, todos os outros bombeiros portugueses.

Esta mudança de paradigma fez com que em 1 de Abril de 2000, a Confederação dos Bombeiros Portugueses, criasse a Juvebombeiro e constituísse as primeiras comissões distritais e respetivos núcleos.

Desde então, estas comissões não pararam de trabalhar em prol da juventude e da mobilização de jovens com o principal objetivo de promover uma cidadania proactiva, através das estruturas locais dos Corpos de Bombeiros. É exemplo, a Juvebombeiro do Distrito de Setúbal, que tem por missão congregar os jovens integrados nos quadros de pessoal, dos corpos de bombeiros voluntários e/ou mistos.

Atualmente, a Juvebombeiro do Distrito de Setúbal conta com 170 membros divididos por 24 Corpos de Bombeiros, mantendo 12 Corpos de Bombeiros com Núcleos ativos.

A atual Comissão Coordenadora Distrital da Juvebombeiro, na voz do seu coordenador, Nuno Delicado, diz que "tem-se empenhado em mudar o paradigma desta estrutura, colocando-a num nível organizacional de excelência, assente nos mais altos padrões de organizações juvenis e apostando nas relações institucionais de proximidade".

No último ano, a Comissão Distrital da Juvebombeiro contribuiu para a formação dos responsáveis distritais e locais das suas estruturas, levando a cabo uma ação de formação para Delegados e Equipas de Trabalho que contou com a presença de mais de 50 elementos oriundos dos Distritos de Setúbal, Lisboa, Évora, Beja e Faro. Em parceria com a Associação Nacional de Bombeiros Voluntários da Eslovénia está programado em 2014 um "Training Course" aos elementos responsáveis pelas estruturas locais na óptica de maior responsabilização e competências.

Sendo a formação uma ferramenta extremamente útil e essencial para cada um de nós, enquanto profissionais, também o é para os bombeiros. Segundo a Comissão Distrital, está a ser preparado um Grupo de Trabalho que se encarregará de elaborar um guia metodológico para as Escolas de Infantes e Cadetes que integram jovens dos 6 aos 16 anos e foram abertas mais 4 Escolas de Infantes e Cadetes, existindo no Distrito de Setúbal um universo de cerca 500 Infantes e Cadetes, que através de um programa de educação não formal orientado para o desenvolvimento físico, mental, cultural e social das crianças e jovens, desenvolvem as suas atividades.

O Dia do Infante e do Cadete, que decorreu em Maio deste ano em Sines e que contou com a presença de 100 crianças e jovens oriundos dos Corpos de Bombeiros do Distrito de Setúbal, foi um marco de dinamismo e coragem desta Comissão Distrital.

Para além das múltiplas atividades, desenvolve ações de sensibilização e dinamização no meio escolar do Distrito de Setúbal, em que envolveram mais de 7000 jovens, na área do Suporte Básico de Vida, Formações de Combate a Incêndios, visitas a meios técnicos e operacionais e atividades radicais.

"Estes são os números que nos orgulham, que nos motivam e que nos fazem caminhar", disse Nuno Delicado. Mas, não são apenas os números que falam, a motivação, a energia e a vontade modificam as estruturas, alimentam e constroem sonhos, garantindo a existência de melhores condições para a realização destas e outras atividades que dignificam a Juvebombeiro e a quem ela pertence.

Obrigada! E continuação do bom e corajoso trabalho até aqui desenvolvido em prol da juventude e da comunidade.


por Heliana Vilela/Setubal na Rede